Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

PORTO DAS PIPAS

miguel sousa azevedo - terceira - açores

PORTO DAS PIPAS

miguel sousa azevedo - terceira - açores

01.Jan.20

Nunca mais fomos os mesmos

Foto Cronica 101DI JAN20 - Nunca mais fomos os mes

Passaram 40 anos sobre o terramoto de 1980. 1 de janeiro, o dia do Sismo. Pelas 15horas e 42 minutos, a terra tremeu brutalmente. Terceira, Graciosa e São Jorge sentiram o abalo, com epicentro a 35 quilómetros de Angra do Heroísmo e uma intensidade de 7,2 na escala de Richter. A cidade, hoje património mundial, ruiu no ronco da terra. Cerca de 80% das suas casas não resistiu à força da natureza. Uma força que ninguém entendeu. Era o primeiro dia do ano, tinha havido Natal, tinha havido festa. Mas umas horas depois davam-se graças a Deus pela plena tarde do sucedido, onde mesmo assim 73 pessoas perderam a vida, e cerca de 20 mil ficaram sem teto.

Ter vivido aqueles segundos, que se transformaram em dias e anos, marcou estas gentes. De forma distante, ainda hoje se reage, se conta, se ensina e se sofre à conta daquele primeiro de janeiro. As horas que se seguiram ao abalo estão claras nas memórias. Havia um silêncio aterrador. A qualquer momento podiam surgir réplicas. Mais mansas, mas a deixar as almas em polvorosa, a fazer rodar os dedos nas contas dos terços, e também a mostrar uma solidariedade de amor. As pessoas ajudavam-se e sentia-se o medo reinante.

Tenho imagens tão nítidas de tudo que se passou, que quase duvido ainda não ter cinco anos de idade quando a terra tremeu. Nesta ilha de Jesus, nesta paz no meio do mar, neste rochedo que foi então de sofrimento e temores. E os interiores das casas pareciam todos feitos de papelão. Tinham sido simplesmente cuspidos para as ruas. As torres das igrejas pereceram. Apenas a fé não desabou.

Passado todo este tempo, que foi quase nenhum, vem-me à ideia a Canção do Medo, um tema lindíssimo do Zeca Medeiros, ligado para sempre à voz da Susana Coelho. Entre notas e palavras, e “do ventre deste sobressalto”, percorre-se “este sismo que me faz cismar”. E foi isso mesmo, como diz a canção. Foi um sismo. Enorme e autêntico, tão verdadeiro e duro. Que nos fez cismar. Para as nossas vidas. Mesmo se tanta coisa boa surgiu depois de abalada a lava dos nossos corações. Ainda assim…nunca mais fomos os mesmos.

 

PS-Este texto foi escrito em 2015. Tentei criar um novo, quatro décadas depois do sismo que fez cismar. Apenas lhe consegui mudar as datas...

91 Nunca mais fomos os mesmos - DI 1JAN20.jpg