Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PORTO DAS PIPAS

miguel sousa azevedo - terceira - açores

PORTO DAS PIPAS

miguel sousa azevedo - terceira - açores

31.Dez.08

Ao Ano Novo... (crónica)

e a rolha irá saltar daqui por algumas horas...

 

Num ano que acaba com um claro apelo ao equilíbrio por parte da figura maior do estado português, mesmo se motivada por “um acto de superior interesse nacional”, nada mais coerente do que escrevinhar algo que se assemelhe a um rol de boas novas que se gostariam de ver realizadas nos próximos 365 dias, mesmo contando que o ano em curso já vai levar um segundo à borla antes das doze badaladas de mais logo…
Reiterando o mote destas linhas, ressalvo que Cavaco Silva – que é a figura maior do estado português…- fez anteontem um discurso duro para explicar ao país a quebra de lealdade entre órgãos de soberania por causa do Estatuto dos Açores, ou seja, e numa nova temática, reforçaram-se as actuações do passado no Portugal dos grandes e dos pequeninos, com a habitual “guerrilha” partidária a sobrepor-se à explicação clara sobre o assunto o que, e ao segundo comunicado ao país, o presidente lá ajeitou, se bem que notoriamente tarde.
Aliás a tendência de dureza e algum sarcasmo não são estranhas à actualidade recente, isto enquanto Israel ataca e bombardeia selvaticamente a Faixa de Gaza, com a comunicação social a dar-nos em tempo útil a quantidade de mortos provocados, com casos concretos de inocentes e parentes dos inocentes exibindo o seu desgosto. Claro que tudo isto tem lógica, e aqui a ideia nem foi minha mas com ela concordo, num mundo onde atirar sapatos a uma pessoa é visto como um acto de pacifismo…se bem que aqui tenha de destacar os bons reflexos do quase-ex-presidente Bush no esquivar ao primeiro dos dois “Ducati 271” que lhe foram arremessados…
Num âmbito meramente local, ou português (vá lá…), o tribunal constitucional (que parece ter novas tarefas a realizar daqui por uns tempos…) chumbou há uns dias a norma que alargava de 90 para 180 dias o período experimental do contrato de um trabalhador. A declaração de inconstitucionalidade feriu de morte o excesso de zelo da maioria governamental de Sócrates, mas eis que o ministro Vieira da Silva até recebeu a notícia com tranquilidade, o que nem abona muito face à forma como reagia anteriormente a cada impulso sobre a matéria…
Mas em tempo de festas convém não esquecer a saúde, pelo que descansem os mais constipados lusos, é que a Direcção Geral da Saúde calculou que a infecção gripal em voga vá atingir (apenas) um milhão de portugueses durante esta época. Sabendo-se que as urgências acalmaram há dois dias atrás, e mesmo se as entidades afirmam que o pico da epidemia apenas irá ocorrer no final da semana em curso. Acresce dizer que o fenómeno só deverá atingir o seu auge na Terceira lá mais para o Carnaval, faltando aferir a constitucionalidade de tal diferença…
Continuando no mesmo tema e convirá recordar que, um ano após a vigência da nova legislação, Portugal registou uma das maiores descidas no consumo de tabaco do espaço europeu, isto atendendo a que cerca de 70% dos restaurantes são livres de fumo mas que as vendas de tabaco caíram entre 10 a 15 por cento. No dia preciso em que comemoro cinco anos de limpeza individual face ao alcatrão e à nicotina, apenas me resta aconselhar o bom senso, ou até consultar a Constituição sobre essa coisa de, nos Açores, se fumar muito mais barato que no resto da pátria…
Em jeito de rematar a prosa, acrescento que estes meus desejos relativos a 2009 estão a ser enviados do continente português para os Açores. Embora ciente de que tal possa roçar a inconstitucionalidade, arrisco ainda assim esperar que o novo ano seja melhor que o que agora termina. Até porque estou a enviar o texto por e-mail, quiçá uma forma de comunicação (assaz discreta…) que os nossos órgãos de soberania poderiam utilizar mais, ao invés das públicas e recentes batalhas e birras… Bom ano!

 

2 comentários

Comentar post