Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

PORTO DAS PIPAS

miguel sousa azevedo - terceira - açores

PORTO DAS PIPAS

miguel sousa azevedo - terceira - açores

18.Abr.19

Fluorescente

Prosegur.jpg

Este anúncio da Prosegur só me faz lembrar aquela história do empregado da Base que roubou tinta fluorescente e pintou a casa! 

15.Abr.19

Aniversário.

Mae 74anos.jpg74 aninhos da mais crescida criança do meu coração. Como eu gosto dela e como a queria com mais vida e cor. Mas está cá. Parabéns, Mãe 

12.Abr.19

Lucro

Chicharros.jpgVoos a cancelar e aquela impotência que os insulares bem conhecem. Valham os chicharros fritos da "Salgueirinha". 
Pelo menos um lucro já está...

10.Abr.19

…e não é que me denunciaram o blogue?

Foto Cronica 92DI ABR19 - e não é que me denunci

Em abril de 2004 vivia no Porto e comecei um blogue. Podia ficar-me por esta frase, mas não. Até porque se aquele foi o último ano completo que passei na Invicta, o certo é que o blogue ainda perdura. Nem sei bem porquê, mas adiante.

Em abril desse distante ano do Europeu de Futebol em Portugal, recebi um e-mail – sim, as pessoas, mesmo jovens, sabiam e usavam o seu e-mail… - do meu amigo Miguel Bettencourt a dizer que me tinha criado um blogue. Agradeci, enganei-me logo nos posts iniciais, mas lá avançou o “porto das pipas”, título também das crónicas que ainda hoje, amiúde, vão surgindo na imprensa local. No caso, o “Diário Insular”. E esta é a nº 304.

Naquela altura, os blogues estavam em alta. Existiam sob(re) todos os gostos e feitios. Dessa data, e a nível regional, acho que só restam o do Nuno Barata (Foguetabraze) e o da Rosa Silva (Azoriana). Que me perdoem os restantes, se ainda subsistem, mas a verdade é que as pessoas já não leem blogues como antigamente. E eu sou uma dessas pessoas.

Sucintamente, e porque esse espaço a que me refiro completou década e meia de existência por estes dias, lembro que as temáticas do mesmo foram variando com a idade – a minha – e com o passar dos tempos – o de todos -. Em alguns campos as diferenças acentuaram-se, assim como a pachorra foi escasseando. Em 2004 fiz parte da Comissão de Honra da recandidatura de Carlos César a presidente do governo regional. Ou seja, não estava apenas ausente dos Açores, mas também fora da sua realidade política e social. Mas deixemos as piadas de parte para recentrar que, no blogue que ainda hoje vou mantendo, já se falou um pouco de tudo, salvo erro em cerca de 11 mil publicações. Curiosamente sem muitos comentários, mesmo se alguns dos temas poderiam ser polémicos. Atualmente, e já sem ligar às estatísticas da coisa, pouco mais de 100 pessoas passarão diariamente por lá.

Há perto de 10 anos, e com o crescimento das redes sociais – especialmente do Facebook, que ainda é a que mais utilizo -, aventou-se o fim dos blogues. Não concordei, e passei a fazer da minha muito ativa página um elo de ligação ao já velhinho filho da blogosfera azorica. E assim foi…até que, há uns meses, me denunciaram o blogue! É verdade. Ainda nunca percebi – nem me interessa – se tal se deveu a intrigas políticas, se às inúmeras reportagens taurinas, ou mesmo porque há quem se irrite com carecas corpulentos de olhos verdes. Como disse, não interessa. Mas o certo é que nem numa mensagem privada da rede do Sr. Zuckerberg se pode agora partilhar um link do “porto das pipas” que, ao que parece, desrespeita uma data de valores éticos e morais.

Abordando ao de leve o adágio popular e a tauromaquia, diz-se por cá que para “gente tola e toiros, paredes bem altas”. Pois bem, aos ativos denunciadores fica este ajuizado recadinho de arraial. E sejam felizes. Para os visitantes envio um abraço saudoso. E o blogue há-de durar o mesmo que eu!

83 e não é que me denunciaram o blogue - DI 10AB

 

07.Abr.19

Noções...

Que as agências funerárias tenham páginas nas redes sociais, nada contra. Até porque só as consulta quem quer. Agora que vão para lá perguntar quem é fulano que morreu, o que tinha, e ainda fazer comentários patetas nas horas de sofrimento dos familiares roça o atraso mental. Será que as pessoas perderam mesmo a nocão do ridículo e da oportunidade para estarem quietas? Ou nunca as tiveram, mesmo?...

 

07.Abr.19

Simplesmente Maria

Disco Maria.jpgTenho alguma dificuldade em escrever ou falar sobre a Maria, porque eu gosto mesmo muito dela. Para lá do seu talento e da carreira que se espera cada vez maior. O que vimos, e ouvimos, na sexta feira, no Auditório do Ramo Grande, foi um concerto de grande qualidade. Assente num Rock que não é o que se faz em Portugal, numa banda de valores consagrados e na atitude e presença de uma cantora adulta e de voz inegavelmente única. Com um timbre só dela. Que também é o da pequena Maria que corria no areal... Parabéns. Beijinhos.