Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PORTO DAS PIPAS

miguel sousa azevedo - terceira - açores

PORTO DAS PIPAS

miguel sousa azevedo - terceira - açores

1ª Corrida Feira de São João’10 – 20 Junho (Notas)

23.06.10, MSA

Final de tarde agradável em Angra. Mais de ¾ de praça para das as boas vindas à Feira de São João. Imagem a guardar: o brilho da pelagem dourada da montada de Luís Rouxinol na volta de cumprimentos…

 

1º Toiro RB nº473 (470kg)

 

Bem constituído o “Tunante”, que saiu calmo para a ferragem de castigo, onde Luís Rouxinol utilizou o internacional “Dólar”. Nos curtos, o cavaleiro de Pegões criou toiro, parando-o para falhar a primeira farpa. Ganho alento e galgou a alegria na retoma da lide. Que fechou bem com um violino e um palmo.

Luís Rouxinol, numa bela entrada em praça...

Pega – Marco Sousa (Tertúlia Tauromáquica Terceirense)

Reunião limpa dedicada ao público, por um forcado que prima pela sua técnica apurada.

 

2º Toiro RB nº19 (460kg)

 

Bem hastado o negro “Trovão”, de passo marcado, e que Miguel Angel Perera recebeu de pés vincados, para depois o centrar na praça, num toureio redondo. Papel limpo no tércio de bandarilhas e, na capa, a lide a abrir de feição, com o diestro de Badajoz a colar o RB à função da melhor forma. Tirando dele o que nem parecia acessível, com temples firmes a arrancarem aplausos aos terceirenses, que neste modelo de corrida mista aderem com vigor à festa apeada.

Temple certo e firme de Miguel Angel Perera... 

3º Toiro RB nº14 (450kg)

 

Luís Rouxinol com um bom comprido a abrir, face a um oponente que se adiantava um pouco ao cavalo. Verde e vermelho ostentou desde logo o “Tombado” chegado da Caldeira, na espera para a ferragem curta, que falhou de início, tirando ânimo ao embate. Com o novo modelo de ferros a ser aparente cúmplice das falhas, Rouxinol cravava e a bandarilha quebrava, o que se foi repetindo. Saiu sem se ver a real valia de ambas as partes em contenda.

E mais um ferro, numa tarde que não terá sido das melhores para Rouxinol... 

Pega – Álvaro Dentinho (Tertúlia Tauromáquica Terceirense)

Confiante o chefe de protocolo de Angra, jóia do Mundo, que fez jus à sua gana, qualidade que cada vez o marca mais como forcado. Pega limpa, à primeira.

 

4º Toiro RB nº20 (440kg)

 

A investir um pouco alto, o toiro deu um início de luta fraterno, mostrando-se mais airoso depois da primeira ronda de “capotazos”, e rumo às bandarilhas que estiveram medianas.

 

Rodando o vermelho na espada, Perera teve novamente uma entrada em acção coesa com os lados do toiro, batendo a sua sorte num aproveitamento claro da matéria à disposição. Sem brilho, e com pouco terreno, tentou fechar com arte. E conseguiu-o, recuperando uma faena que parecia perdida, o que diz bem das suas capacidades.

Com a muleta, e em bom estilo... 

5º Toiro RB nº18 (460kg)

 

Decidido a limpar a imagem, e recordando-se que o seu historial na Terceira é amplamente positivo, Luís Rouxinol abriu com determinação, mas como nova falha às claras. Nos curtos, o marialva avivou-se, mesmo com um toque na bonita montada e, recorrendo a alguns fogachos, puxou os aplausos e a música, adregando aos palmos e ao seu habitual par de bandarilhas, de novo com carências, para se despedir da tarde.

 

Pega – João Pedro Ávila (Tertúlia Tauromáquica Terceirense)

Brinde a Perera e a pega da tarde, rija e vistosa, para um caras que parece regressado aos seus melhores momentos.

 

6º Toiro RB nº11 480 kg

 

Bom começo para Perera, com as nuvens já a ameaçarem molhar a actuação mais quente do espanhol. Finalmente três pares de bandarilhas em praça, e o “Impacientado” a proporcionar um volteio vistoso, com a capa a enamorar-lhe as hastes ao som dos ritmos e com salero.

Um pormenor do bonito traje de Miguel Angel Perera...

Em terra, Perera centrou em partilha, toureando com muita alma e engenho. Teve toiro, teve público e deixou a sua assinatura na galeria mais brilhante da Monumental de Angra. Fechou em grande e ergueu os braços em triunfo para, mesmo contrariado, sair pela porta grande sobre a cidade património.

Num momento mais pausado da sua última lide... 


 

PS-Este é o quinto ano em que tenho o prazer de me instalar na trincheira da nossa Monumental, para dali apreciar a Feira de São João. Não tendo veleidades a comentador taurino, tento aqui deixar a minha visão de cada uma das corridas presenciadas, sendo que outras actividades dentro das Sanjoaninas nem me deverão deixar estar em todas elas. Ainda assim, e no âmbito da manifestação artística que é uma corrida de praça, deixo os olhares mais técnicos aos meus caros “colegas” com créditos firmados (exemplos disso aqui e aqui), enquanto vou jogando com as palavras e as imagens o que sinto neste mundo tão belo da tauromaquia. Olé para a nossa Terceira!

1 comentário

Comentar post