Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PORTO DAS PIPAS

miguel de sousa azevedo - açores

PORTO DAS PIPAS

miguel de sousa azevedo - açores

26.Jun.07

O vestido da "pequena"...

A rainha das festas no Cortejo de sexta-feira...

Foto: "D.I."

 

A astúcia tem muitos vestidos; a verdade gosta de andar nua”, esta citação de Thomas Fuller serve para descrever o que possa ter corrido menos bem. As birras ficam sempre em segundo plano, a parte não se confunde com o todo. O público, o grande júri, parece ter gostado do que viu.

in "Jornal a UNIÃO".

Esta citação a uma, já de si, citação tem fundamento na "história" que correu o fim-de-semana de São João em Angra e que, já na Sexta-feira (dia da abertura das Festas Sanjoaninas...), tinha dado que falar: A rainha não usou o vestido que lhe era destinado, optando por usar um outro que, por intermédio e vontade familiar, fora confeccionando no Continente. A exigência, birra ou falta de respeito pelo trabalho dos outros (chamem-lhe o que quiserem...) pode traduzir-se como um pormenor comezinho onde apenas a fraqueza de espírito singre. Mas o facto vem provar que há, de facto, quem não esteja à altura de qualquer destaque ou posição de relevo. Ou simplesmente quem não esteja à altura...

Recordo aqui um pequeno episódio com mais ou menos os mesmos intervenientes desta história, como disse, comezinha. No início da formação destas "Sanjoaninas'2007" fiz parte da sua Comissão organizadora, cumprindo um curto papel de Relações públicas dos festejos, actividade que interrompi por razões pessoais e profissionais. A páginas tantas dessa preparação inicial, decidi alinhavar algumas palavras para a dita rainha, uma miúda simpática e algo insegura nos seus apenas quinze anos, para que a apresentação do cartaz das festas e do séquito real não tivesse (especialmente para os jovens integrantes deste último...) o "peso" e a cerimónia que por vezes ostenta. O texto era curto e simples, li-o e reli-o na companhia da "pequena" e enviei-o por email...

Acham que foi esse o texto que leu? Não. Pois bem, senti-me como o estilista, quem costurou, pregou, martelou e roubou horas à família para que a roupa e os carros brilhassem. Ou seja desrespeitado...

E boas Festas que, por sinal (para mim...), estão a superar as melhores expectativas.

 

PS-O vestido que deveria ter sido usado está em exposição numa loja da nossa cidade...

11 comentários

Comentar post