Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

PORTO DAS PIPAS

miguel de sousa azevedo - açores

PORTO DAS PIPAS

miguel de sousa azevedo - açores

28.Abr.17

Antevisão 36º Rali Sical (RCA)

Cartaz 36 Rali Sical small.jpg

Está tudo pronto para o 36º Rali Sical. Hoje será o dia das últimas afinações, porque o fim de semana é mesmo para a emoção de uma prova que é a mais antiga do país com a mesma designação comercial.

A antevisão da prova com o Miguel Sousa Azevedo.

28.Abr.17

36 edições de um rali especial.

Foto Rali Sical HMesquita ABETT.JPG

Foto: António Bettencourt

 

Será com uma versão encurtada da Super Especial Citadino/Avenidas que, amanhã à tarde (16h00), se iniciam as hostilidades do 36º Rali Sical, segunda prova do “Regional” açoriano, e a iniciar o novo Troféu de Ralis de Asfalto. Em 2017, ao nível do Mundial de Ralis, e mesmo do campeonato nacional, as quatro provas já corridas conheceram outros tantos vencedores. Então o que esperar do rali do “gostinho especial”, que animará o fim de semana terceirense? Depois do abandono de Ricardo Moura (Ford) no Azores Airlines Rally, é Luís Miguel Rego (Ford) quem lidera a tabela regional, e já se viu que Ruben Rodrigues (Citroën) está apto a lutar pelos lugares da frente. A juntar-se ao trio, Tiago Azevedo (Skoda) também vai estar num R5, pelo que o “grão” deste rali do café é, para já, garantidamente de colheita selecionada.

Não será de estranhar que o nona-campeão Moura domine a prova, mas também não vão faltar motivos de interesse na luta pelo pódio, mesmo se há algumas ausências notadas na faixa de rodagem logo abaixo, como a do vice-campeão Hugo Mesquita, do sempre fogoso José Paula, ou de Artur Silva, que ainda não estreará o Subaru, arriscando-se o graciosense Cláudio Bettencourt (Mitsubishi) a navegar sozinho atrás dos R5. No reino das duas rodas motrizes, Carlos Andrade (Renault) é um natural favorito, perante o titular da faixa, Rafael Botelho (Citroën), que traz uma nova montada. Para o mais baixo do pódio aponta-se o regressado Tiago Valadão (Citroën), num rali em que os Saxo Cup “renasceram”, prevendo-se 8 à partida. Muita atenção para as prestações de Jorge Sousa (Toyota) e para a luta particular dos VSH 4x4, com João Ávila (Mitsubishi) a ombrear com Manuel Ponte (Toyota) e Gilberto Ferreira (Ford), outro nome que está de volta.

Os desafios da prova passam pela possibilidade de condições climatéricas adversas, sendo que – especialmente sob nevoeiro – os troços de Entre os Picos/São Sebastião e Ladeira da Pena/Serra do Cume encerrarão dificuldades maiores no que toca à visibilidade. Pelo que quem preparar bem o rali, poderá colher frutos na hora de abeirar a Praça Velha que, pelas três da tarde de domingo, vai começar a receber os resistentes. Na 36ª edição do Rali Sical, são precisamente 36 as equipas que se propõem completá-la.

Aceitam-se apostas para saber se alguém vai inscrever o seu nome junto aos de Gustavo Louro (13), Ricardo Moura (8), Joaquim do Carmo (3), Fernando Peres (2), Carlos Nunes, João Pedro Freitas, Tiago Costa, Luís Pimentel, Carlos A. Costa, José Eduardo Silva, Manuel Dias, Carlos M. Costa ou Luís Rego, todos eles vencedores do rali do café. Uma coisa é certa, o pódio será inédito e esta poderá ser uma das melhores edições de sempre.

E sai mais um “Sical”, faz favor!

 

Rali na Cidade!

Foto Caixa SE.JPG

Foto: Ricardo Laureano

 

Foram audazes os elementos do TAC que, em 1992 (Rali Ilha Lilás), lograram levar a cabo a super especial Litoral – com o percurso que arrancava do Clube Náutico… -, transformando-se as várias versões que a sucederam numa enorme tradição dos ralis locais. Depois disso já houve super especiais na Praia da Vitória, e a moda pegou mesmo em São Miguel, em Santa Maria, no Faial, no Pico, na Graciosa e até nas Flores. O certo é que jamais se repetirá o Litoral dos anos 90, com as dificuldades particulares que o seu traçado apresentava. Desta feita – e mesmo sem a aventada transmissão pela RTP-Açores -, será com o sol ainda alto (16h00) que os bólides irão correr na cidade de Angra do Heroísmo.

Antevê-se uma enchente de público, e o habitual reboliço na Praça Velha, no Pátio da Alfândega ou na Tercon, ficando a informação de que as equipas vão desfilar em ordem numérica inversa à da lista de inscritos. Só falta mesmo aquela “cunha” certa a São Pedro!

 

 

Pág. 1/8