Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

PORTO DAS PIPAS

miguel de sousa azevedo - açores

PORTO DAS PIPAS

miguel de sousa azevedo - açores

31.Jan.15

A guitarra do Victor.

Foto Cronica 42DI JAN15 - A guitarra do Victor.jpg

Foi no primeiro sábado do ano que um grupo de terceirenses com sorte assistiu a um evento musical de grande qualidade. Não foi apenas um bom concerto, foi mesmo daquelas noites em que todos os que compunham a plateia se sentiram privilegiados por ali estar. No aconchego do pequeno palco do Alpendre, e a meio de uns dias de férias na terra natal, Victor Castro presenteou-nos com momentos de emoção. Contida e desbragada, tal e qual como aconchega e afasta as cordas da sua guitarra. O instrumento musical que escolheu para se destacar entre iguais, para ser diferente entre quem faz e recria música. A sua guitarra-companheira, que cada vez mais faz parte integrante de um artista com talento, a quem sabe bem rasgar elogios.

Há quase uma década radicado em paragens de Vera Cruz, Victor Castro é um nome incontornável da guitarra clássica, experimentando aqui e ali outros suportes, mas sempre com a magia das cordas e escalas a preencher uma carreira que foi firmando desde sempre. Desde as aulas de entrada com o mestre Carlos Baptista Ávila até à assunção como professor e estudioso. Mas mantendo aquela simplicidade genuína, aqui ou ali à caça de um piropo. Uma simplicidade que comprovamos quando se entrega ao som que ele mesmo provoca. E a simplicidade do rapaz do Corpo Santo, que vendia peças de automóveis, e que na escola parecia tímido e acanhado. Uma imagem complementada com a posição em que o Victor cresce, e se oferece para a performance pura, dando origem a momentos, como os do primeiro sábado do ano, em que fomos felizes por ali estar.

No encontro de cerca de uma hora que manteve com um público interessado, e onde habilmente se desfez, entre músicas, dessa timidez natural, desmerecendo a ocasião com graça, ofereceu-nos duas mãos cheias de peças complexas e de entrega. Interpretou obras de compositores como Paulo Bellinati ou Agustin Barros, mas também quatro peças da sua autoria, com o enfoque a cair naturalmente no sentido tema que dedicou à sua filha, Leonor. E fez mais, recriando na guitarra clássica três canções que todos trauteamos sem hesitar, do Luís Gil Bettencourt. Com arranjos criados no sentido expresso de querer perpetuar alguns dos melhores compositores da Região. No caso de "Dreams" e "Searching", o mais fácil de contar é que o Luís parecia "cantar" nas cordas da guitarra do Victor. No "Tema de Amor", até a pronúncia parecia estar presente, numa rosa oferecida, com dom, com arte plantada, e sem espinhos. Foram de coração aquelas interpretações, provando que o sentimento é sempre outro quando se "joga" em casa.

Sem fretes ao Victor, que deles não precisa, partilhar uma bela noite de música é aqui apenas uma oferta ténue. Quem não ouviu, fica a saber que foi bom. Quem lá esteve, entenderá o cumprimento. A "ternura aos molhos" esteve inteira na letra do António Melo Sousa. Que não foi cantada...mas que todos ouvimos na sede do Alpendre.

37 A guitarra do Victor - DI 31JAN15.jpg

30.Jan.15

Obras.

Praça FOC.jpg

Praça Francisco Ornelas da Câmara (Praia da Vitória)

 

As pessoas inteligentes também mudam de opinião. Mesmo quando não se rendem às evidências... 

30.Jan.15

Equilíbrio.

Equilibrio AnteroÁvila.jpg

Foto: Antero Ávila

 

Um capricho de luz, no Porto Martins. Parece de propósito...como só a Natureza consegue fazer. 

28.Jan.15

Manifesto 21: Cidadãos alertam para a valorização da ilha e da base das Lajes

Foto Facebook.jpg

Um grupo de 21 terceirenses reuniu-se e criou um manifesto em que são focadas as responsabilidades e emergências do desenvolvimento da Ilha Terceira, tendo como mote a redução da presença norte-americana na base das Lajes. Um documento que pretendem agora ver divulgado e assinado pelo máximo possível de cidadãos.

"Foi uma reunião não partidária, com o único objetivo de criar este alerta à população, num apelo claro e simples à sociedade civil, a que chamamos Manifesto 21", refere uma nota enviada pelo grupo à comunicação social, acompanhando o texto que agora "faremos assinar por todos que estejam solidários com esta forma de juntar consciências para pensar e valorizar a nossa terra", afirmam.

O preâmbulo do documento identifica-o como "um manifesto que reflete preocupações quanto às perspetivas de desenvolvimento da Ilha Terceira, na sequência da decisão de redução da presença militar norte-americana na Base Aérea nº 4 das Lajes. Tendo em conta impactos imediatos, como o aumento do desemprego e a considerável quebra na economia da ilha".

Segundo outorgam, "há responsabilidades dos norte-americanos na Terceira, passados 70 anos da sua presença militar entre nós, e o manifesto toca várias dessas circunstâncias, mas também chama à atenção dos nossos governantes e líderes eleitos. É necessário que sejam encetadas negociações de forma transparente e pública", defendem.

"Trata-se de uma ação simples, que apela ao empenho de todos na sua divulgação, mas que também é clara no repto para que se valorize a Ilha Terceira e as suas potencialidades, nomeadamente o aeroporto e o porto da Praia da Vitória, assim como o manancial de oportunidades que ainda se podem criar e desenvolver", explicam.

"Fazemos exigências como cidadãos, que gostam da sua terra e que se sentem, de alguma forma, desrespeitados, pelos diversos rumos que todo este processo tomou. Em primeiro lugar têm de estar os interesses dos terceirenses, pelo que a nossa sugestão é de que se juntem a nós, como prova de união, para mais uma forma de pressão e entendimento", acrescentam.

Disponível brevemente na net, para a recolha de assinaturas - em www.manifestoterceira.org -, o movimento conta com uma página no Facebook, "que teve quase mil adesões nas primeiras doze horas", diz ainda o grupo.

O documento teve como subscritores originais Bruno Messias, Bruno Nogueira, Diogo Menezes, Félix Rodrigues, Francisco Simões, Guido Teles, Luciano Sales, Luís Leal, Miguel Azevedo, Miguel Linhares, Miguel Rosa Costa, Paulo Noval, Paulo Ribeiro, Pedro Machado, Pedro Pereira, Rogério Sousa, Rui Ataíde, Rui Messias, Tânia Fonseca, Tibério Dinis e Valter Peres.

Manifesto21 jan15.jpg

Logo M21 2.jpg

 

Pág. 1/8