Miguel Sousa Azevedo

Create Your Badge
Sexta-feira, 30 de Agosto de 2013

Motores a Ocidente...

A primeira competição motorizada nas Flores...

publicado por MSA às 14:38
link do post | comentar | favorito

"Aventour" em São Jorge...

publicado por MSA às 11:37
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 29 de Agosto de 2013

Sebastian Lind - Never Let Go

publicado por MSA às 17:14
link do post | comentar | favorito

Cores a norte...

Cores e música, no Parque da Cidade...

publicado por MSA às 10:57
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 28 de Agosto de 2013

Comunicação social da Terceira perdeu equilíbrio...

João Afonso, em entrevista ao DI, jornal que também fundou...

O desaparecimento do jornal diário "a União" retirou equilíbrio à comunicação social terceirense. A afirmação é de João Afonso, escritor, poeta e decano dos jornalistas locais. Cofundador e primeiro chefe de redação do Diário Insular, o consagrado escriba foi homenageado este sábado pela Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, e não tem dúvidas de que "a inexistência de concorrência no campo da imprensa é claramente negativa", pois "há temas e uma perspetiva que eram d' a União'", resumiu em entrevista ao "DI" de hoje.
Aos 90 anos, e depois de uma longa carreira, como jornalista e também bibliotecário, João Afonso explica que a crise que assola os meios de comunicação social privados da Região tem apenas uma solução: "fazer mais e melhor". E temos de concordar com ele. Divulgar e noticiar são artes nobres, que nem sempre contentam todos mas que, exercidas com brio e lisura, se tornam imunes às críticas e às invejas. É que, nos tempos que correm, a crítica e a inveja valem bem mais que o consenso e o reconhecimento.

Tenho em João Afonso um exemplo pleno de retidão. Um retrato de vida, muita dela traçada sob um regime de censura moral e intelectual numa realidade que é bem menos distante dos tempos que correm. Quer queiramos ou não, o medo espreita a cada porta, e é na opressão que muitas vezes o poder vai sendo exercido. A semanas de um ato eleitoral autárquico, onde se demonstram as valências, mas também os constrangimentos, da governação local e de proximidade, essa opressão aparece sem pedir licença. Esperemos que a comunicação social se ponha ao largo dela...

 

publicado por MSA às 13:28
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 27 de Agosto de 2013

Obrigado, Deco.

publicado por MSA às 22:37
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 26 de Agosto de 2013

Huecco - Dame vida

publicado por MSA às 10:06
link do post | comentar | favorito

Vida.

Se a vida é um cúmulo de buscas, é de manhã que a procura se inicia.

Imunes ao sol, ou à falta dele, devemos sorrir a cada dia.

Imunes ao vento, que nos leva os intentos, devemos tentar proteger olhos e coração das poeiras levantadas.

Imunes ao tempo, que desgasta e quase magoa, devemos-lhe apenas uma breve explicação. Sem confundir demais os elementos...

publicado por MSA às 09:49
link do post | comentar | favorito

WRC: Rally Deutschland (Highlights)

publicado por MSA às 09:43
link do post | comentar | favorito

Miguel Bettencourt: A terapia da imagem

O Miguel, durante a entrevista ao DI...

Miguel Bettencourt, angrense a residir na Praia da Vitória, é informático de profissão. Quando quer refugiar-se das coisas do quotidiano, pega na máquina e regista, livremente, aquilo de que mais gosta. O resultado dessa terapia está exposto no Clube de Oficiais, até setembro.

 

É o responsável pela exposição "Fronteira, transição", patente no Clube de Oficiais da Base das Lajes. Trata-se, aliás, da primeira vez que mostra o seu trabalho. Como é que surgiu esta oportunidade?

A verdade é que eu não estava à espera desta oportunidade, porque nunca fotografei com o intuito de expor. Pensava nisso, mas não a sério. Perguntavam-se se estava nervoso e expectante e eu dizia que não, porque isto nunca me tinha passado pela cabeça. Esta exposição surge através do capitão Pedro Horta, do Clube de Oficiais Portugueses. Ele próprio é um apaixonado pela fotografia, mas pela fotografia pinhole. No Dia Mundial da Fotografia Pinhole, o capitão Pedro Horta organizou um workshop e durante esse momento começámos a falar, nomeadamente sobre a hipótese de expormos. Depois de ter hesitado, acabei por aceitar.

E o que é que o fez hesitar?

Material eu tenho, até demais. Tive de fazer várias pré-seleções antes de chegar à seleção final de 15 fotografias; a primeira tinha cerca de 120. O que não foi simples, durante esta fase de escolha, foi o facto de não me surgir nenhum tema para a exposição. Expor fotografia de paisagem não me cativa particularmente; lembrei-me de fazer uma mostra com fotografias de Angra, que tem um potencial enorme, mas seria uma pena não aproveitar o momento para expor fotografias das duas cidades; depois lembrar-me que já que ia expor imagens das duas cidades, poderia ainda mostrar fotografias de Lisboa, que tem uma luz magnífica. Depois achei que não havia uma ligação. Nessa fase comecei a escolher simplesmente fotografias de que gosto e cheguei à última pré-seleção com cerca de 30 fotografias, que enviei para um grupo restrito de amigos e conhecidos, que me deram a sua opinião. E cheguei às 15 fotografias sem ter nenhum tema. Tinha fotografias soltas e pareceu-me que ficava um bocado vazio.

E como é que chega a este título: "Fronteira, transição"?

Chega-se a este ponto em conversa com o José Maria Oliveira, uma pessoa que conheci na ilha, porque ele viveu cá cerca de dois anos e meio. Comecei a tentar procurar uma ligação entre estas fotografias, porque a sensação que eu tinha era a de que não tinha escolhido estas imagens ao acaso, que não era só uma questão de gosto. Não sou muito espiritualista, mas acho que nem tudo na vida são coincidências. O José Maria Oliveira dizia-me, então, - e eu já o tinha admitido -, que a minha fotografia é, em parte, a visão da insularidade, da fronteira física que a insularidade nos impõe, e da fronteira enquanto seres em constante aprendizagem. Fiz uma interpretação das imagens tendo em conta esse fio condutor. O José Maria, que tem uma grande sensibilidade fotográfica e conhece muito bem a fotografia que faço, começou a interpretá-las também à sua maneira. E de tudo isto surgiu este tema, "Fronteira, transição", sobre as fronteiras físicas das ilhas, as fronteiras emocionais do seu ilhéu, e a transição, aquilo que somos e que nos vamos tornando ao longo da vida. Entretanto, lembrei-me que seria interessante lançar um desafio aos visitantes: para que não tenham um papel puramente passivo, convidá-los também a interpretarem o que veem. A graça está exatamente aí: nem toda a gente olha para as coisas com a mesma capacidade de interpretação. O José Maria ofereceu-se para escreveu o prefácio e eu também quis lançar-lhe um repto, para que ele próprio fizesse a interpretação do que está exposto.

Como é que começa este percurso na fotografia? É um autodidata?

Sou, não tenho formação académica na fotografia. Fiz dois workshops de iniciação à fotografia digital. Lembro-me de ser criança e de o meu pai ter - já não tem, porque agora sou eu que a tenho - uma máquina, Canon, analógica, que provavelmente terá comprado em Lisboa, antes de ir para a Guiné. O meu pai tirava sobretudo fotografias de festa, de família. Lembro-me de pegar na máquina e de fazer uns registos, de tentar perceber o que era a fotografia. Estamos a falar de uma altura em que não havia disparos infinitos, havia rolos, e houve uma vez que estoirei com um rolo inteiro, o que deixou o meu pai um bocado chateado. Foi na fase da adolescência que comecei a ficar mais desperto para a fotografia, não de uma forma ativa - comecei a fotografar bem mais tarde, há cerca de quatro, cinco anos -, mas de uma forma passiva. Apreciava, ia à Biblioteca Municipal e requisitava livros sobre o assunto... Com cerca de 18/19 anos, comprei dois ou três rolos e decidi que ia tirar fotografias, para depois as revelar a preto e branco. Fui para o Porto Martins, para a zona da Ponta Negra, e comecei a fotografar. Saíram umas coisas interessantes, outras nem tanto, mas acima de tudo fica a memória de uns dias bem passados a fotografar.

E o que é que o fez começar a fotografar regularmente?

Foi, antes de mais, um passatempo. Entre trabalho e família, que são dois elementos necessários e bons, os tempos livres não devem ser só passados em casa, a ler, a ver televisão e à frente de um computador. Já olhava a minha volta e via a realidade em modo fotográfico. Sem falsas modéstias, penso que já tenho algum "olho para a fotografia" e espero que venha a ter a mais. Isso treina-se, tem a ver com as nossas vivências, experiências de vida, com a forma como olhamos para as coisas, aquilo que lemos e ouvimos... Entretanto lembrei-me que, como gostava de fotografar, poderia começar a fazê-lo mais a sério, mas sempre como hobby. Mesmo sem a lente eu já fazia fotografia, já tentava perceber o enquadramento das coisas... Comprei uma máquina fotográfica, substituí a minha compacta. Ao fim de um ano de evolução e aprendizagem comprei outra, que me satisfizesse mais, com mais pontos de foco.

Tem um blogue de fotografia onde vai mostrando os seus trabalhos. Quem o visita percebe que gosta de fotografar de tudo um pouco. Como caracterizaria, ainda assim, o seu trabalho? É instintivo ou racional?

Tem uma mistura das duas coisas. Gosto muito de fotografia de rua, do movimento, das expressões, mas admito que tenho um problema grave a fotografar pessoas, porque o ideal para mim é abordar e perguntar se posso fotografar. No entanto, há momentos em que damos esse passo e isso estraga o momento, perde-se a espontaneidade. Mas gosto de fotografar a dinâmica da cidade. Também gosto de paisagem, não como cartão de visita, mas aquilo que me diz alguma coisa: o Porto Martins, o interior da ilha, as Quatro Ribeiras. Gosto de fotografia minimalista, embora tenha começado há pouco tempo. Gosto do conceito, gosto daquilo que ela pode transmitir. Também gosto de fotografar animais, gatos sobretudo.

E o que é que o fez criar este blogue?

Fi-lo para expor o meu trabalho, para mostrar aquilo que faço. Também consigo perceber, através dele, a minha evolução. Antes do blogue dedicado à fotografia tinha um blogue pessoal, que mantenho, e onde publicava esses registos. Não é que tenha surgido a necessidade de separar as duas coisas, foi mais por uma questão de organização. Quando criei o blogue para a fotografia reeditei as imagens mais antigas, no Lightroom. Notei que nos enquadramentos, por exemplo, havia imagens, as primeiras que publiquei, que poderiam estar diferentes.

E tem a tentação de voltar aos mesmos lugares para fazer os mesmos trabalhos?

Depende. Há cenários onde vale a pena voltar para fotografar, porque existe uma dinâmica: se é à noite, se é à tarde ou de manhã, se tem ou não movimento. Há fotografias que quero repetir, mas há outras que são únicas, são momentos. Independentemente do resultado, se ficou ou não aquém daquilo que eu queria fazer, foi aquele momento que captei e não vale a pena insistir no cenário para tentar obter o mesmo objetivo, ou outro. No plano da paisagem há cenários que vale a pena fotografar mais do que uma vez, porque as condições são outras. O nosso clima tem uma dinâmica constante.

Percebe-se também que gosta de fotografar os Açores, que têm essa dinâmica e diversidade de que fala. Se pudesse escolher qualquer lugar para visitar e fotografar, onde iria?

Em Portugal gostava de fotografar Trás-os-Montes, onde estive há muito tempo e onde tem havido uma grande evolução; e a cidade do Porto, que é muito diferente de Lisboa, mas também muito fotogénica. No mundo, gostava de fotografar o deserto, por ter poucos elementos. Ainda assim, qualquer sítio onde me sinta bem, onde seja bem recebido, onde me sinta confortável para fotografar, tanto faz.

Falávamos, há pouco, da democratização da fotografia. Hoje quase todos podemos ter uma máquina e fotografar. Qual é a sua opinião sobre isso, nomeadamente ao nível da qualidade?

Acho que é bom para a fotografia, desde que as pessoas se respeitem, não se atropelem umas às outras - e falo de profissionais, amadores, entusiastas -, e tenham gosto naquilo que estão a fazer, seja uma fotografia mais cuidada ou uma imagem do aniversário dos filhos. Tomara todas as formas de arte estarem ao alcance das pessoas como está a fotografia. A democratização é ainda importante para motivar e trabalhar o potencial das crianças no que concerne à capacidade criativa que elas possuem, capacidade que é muitas vezes desvalorizada, nomeadamente no atual modelo de ensino básico.

E quanto à edição das imagens, qual é a sua opinião sobre esta questão?

A edição é uma necessidade. Há mitos e confusões em torno disto. Muitas vezes as pessoas perguntam-me se edito e, quando o fazem, estão a pensar na manipulação da imagem. É preciso separar o trigo do joio. Se a manipulação for feita num trabalho de moda, numa revista, com um objetivo específico, não critico. No entanto, se for uma fotografia no contexto do fotojornalismo, e já houve vários casos, condeno-a vivamente. Na fotografia como faço, quem quiser manipular fá-lo, que não quer não o faz. Eu não o faço. Mas a edição de imagem é necessária. Quando tiramos uma fotografia, se o fizermos em modo automático, a máquina cria um ficheiro que resulta da edição da imagem que a própria máquina processa. Quando fotografamos no negativo digital da fotografia, os ficheiros ficam com mais informação mas têm de ser revelados para extrair a informação que pretendemos. Tento, na medida do possível e dentro dos meus conhecimentos, quando fotografo e quando tenho tempo para fazê-lo, fazê-lo de forma a ter que editar o menos possível. Eventualmente será necessário mexer no contraste, nas sombras ou na temperatura e eu encaro esse processo como uma revelação.

O que é que faz com os seus registos? Guarda-os, partilha-os?

Algumas revelo, outras partilho no blogue ou com amigos. Muitas vezes faço fotografia não só porque gosto do cenário, mas porque me faz lembrar alguém ou algum momento, e nesses casos mostro-as. Guardo-as todas. Já tive dissabores quando não as guardei. Tive a experiência de, no início, quando comecei a fotografar, tirar alguns registos, não gostar e eliminá-los. Depois pensei que na altura a fotografia não tinha potencial, mas depois poderia passar a ter. Estou a fartar-me das fotografias bonitinhas. Não tenho desenvolvido muito, em termos práticos, essas imagens, mas aprecio cada vez mais a fotografia crua, aquela que tem uma beleza que não é tão fácil de entender.

O importante, então, é ir fotografando enquanto quiser, enquanto puder e gostar...

O importante é fotografar enquanto passatempo, enquanto terapia, porque a fotografia permite-me momentos de concentração, e quando estou concentrado estou a refletir sobre aquilo que estou a fazer. Quando o faço se calhar também reflito sobre o que sou, sobre o meu papel, sobre aquilo que me rodeia. O meu objetivo é simplesmente esse.

 

(entrevista ao Diário Insular deste domingo)

publicado por MSA às 03:18
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 25 de Agosto de 2013

5m à Porto...

Rui Moreira, em mais uma ação genuína de proximidade.

 

Enquanto uns - em tantos concelhos deste país - pagam rendas e contas...

publicado por MSA às 17:24
link do post | comentar | favorito
Sábado, 24 de Agosto de 2013

WRC: Rally Deutschland (Leg 1, 2 & 3)

publicado por MSA às 16:44
link do post | comentar | favorito

Dia de rali na Graciosa...

A emoção dos motores na ilha branca...

publicado por MSA às 11:46
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 22 de Agosto de 2013

WRC: Rally Deutschland (Shakedown)

publicado por MSA às 16:43
link do post | comentar | favorito

Ainda vale a pena a Terceira?

As portas falsas do Castelo...símbolo da nossa valentia...

Os tempos mais recentes têm feito crescer um sentimento de impotência no povo terceirense. Mau grado estarmos em período de férias e festas, portanto a gastar todas as energias acumuladas - sempre que o Carnaval nos deixa... - durante o inverno, e mesmo sabendo que em pleno arraial a última coisa que nos aflige é a perda notória da importância da nossa terra, o certo é que, lá no fundo, o terceirense percebe que o estão a tramar.

Aliás, a queixa nem se mostra isolada, pois as provas do esvaziamento da terra dos bravos vão sendo bem mais transversais que a alegria de veraneio que, ano após ano, nos invade. E à qual ainda damos resposta de mesa posta, pelo menos entre os que sobrevivem aos sacrifícios da porta aberta e ao incómodo de desconhecer o futuro. Seja ele qual for.

A questão põe-se a vários níveis e, na cópia premente do discurso de alguns políticos e agentes sociais, poderia aqui elencar o que vai saíndo de fininho da ilha lilás, o que vai rumando à capital do império sob o carimbo de qualidade do nosso executivo regional, ou mesmo levantar o véu a alguns propósitos quase crueís do que se pretende retirar a esta paragem central do arquipélago das descobertas. Mas não vou por aí.

Pergunto claramente aos terceirenses se acham que a sua (nossa) terra ainda vale a pena? Se ainda é lícito e atrativo viver na sombra de um suspiro superior, que nos foi arrancando bem mais que uma Base das Lajes, só em metade da última década. Parece exagero, mas não é. Nesta Região de velocidades díspares, onde o conceito de Coesão é um disfarce amorfo para a falta de vontade no progresso conjunto, já nem a história da locomotiva dos tempos de Mota Amaral cola. As ilhas mais pequenas já não vão a reboque de nada nem de ninguém. Tão só porque, simplesmente, lhes vão atirando migalhas em forma de betão e fachadas frondosas, num rebuçado a longo prazo, que vai ter sabor amargo. Mesmo que não o sintamos no imediato.

Os exemplos sucedem-se, e já bloqueiam o acesso a coisas que considerávamos um ganho emérito da Autonomia. Que é uma coisa um tanto indefinida, mas que os mais velhos usam para justificar as lutas e as reivindicações, enquanto os mais novos a vão refundando até à exaustão. Esperando, possivelmente, que caia do pedestal de um regime que definha.

É nos tempos difíceis, e como se costuma dizer, que mais claramente vemos quem são os nossos verdadeiros amigos. Mas também é uma verdade que, muitas vezes, os nossos piores inimigos estão confortavelmente instalados dentro de portas. Ou, como costumava dizer uma pessoa próxima, "os piores, são sempre os de casa"...

 

publicado por MSA às 02:09
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quarta-feira, 21 de Agosto de 2013

The Verve - Bittersweet Symphony (Live)

(Porque desta feita ele não anda, na rua, aos encontrões às pessoas...)

publicado por MSA às 13:49
link do post | comentar | favorito

A comemorar Angra...

A comemorar Angra...

publicado por MSA às 09:32
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 20 de Agosto de 2013

Miguel Fonseca (umas palavras)...

Descansa em paz, Miguel...

Somos gente de terras pequenas e, como tal, vão fazendo parte das nossas vidas famílias inteiras. Hoje, uma família de amigos perdeu um dos seus e, claro está, perdi também um amigo.

O Miguel Fonseca foi um amigo, irmão dos meus amigos, que conheci desde sempre. Foi o chefe das corridas de bicicletas no meu final de infância, o bom conversador, o dirigente estudantil e depois o bem sucedido empresário. Faltou-lhe tempo para tudo que imaginou, numa terra que penso nunca aceita bem os seus, quando primam pela inovação dedicada a tempo inteiro. Qualquer que seja o seu mote.

Descansa em paz, "Faneca". Cá tentaremos tratar dos nossos amigos...

publicado por MSA às 22:37
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 19 de Agosto de 2013

Música Solidária.

Música e solidariedade...

publicado por MSA às 15:50
link do post | comentar | favorito

Regresso à estrada...

Super Especial Cabo da Praia...

Fotos: António Bettencourt

 

No passado sábado regressei à sempre apetecida condição de navegador de ralis, acompanhando o Lisuarte Mendonça na Super Especial Cabo da Praia, a terceira prova pontuável para o novo Challenge Open Açores a cargo da Olavo Esteves Competições. Era a primeira prova dele - a contar - com o Saxo Cup ex-Marco Silva, um carro que conhece bem, pois acompanhou o Fernando Meneses em várias provas naquela mesma viatura, e desde a primeira ligação percebi que há máquina e piloto para fazer coisas (mesmo) muito engraçadas.

Num traçado rápido, e do qual tanto piloto como navegador tinham recordações firmes, foi logo nas primeiras curvas que surgiu um obstáculo incontornável, e que dava pelo nome de segunda velocidade. Com efeito, e pese embora todo o esforço que o Lisuarte fez para dominar da melhor forma o fogoso Saxo Cup, sem aquela mudança é impossível fazer uma prestação ao melhor nível. Especialmente num percurso com várias travagens fortes e as necessárias reduções de caixa a terem de ser precisas. Mesmo assim, e corrida a primeira passagem, averbamos o 5º tempo, cientes dos vários segundos perdidos nas indecisões daquele órgão mecânico. Sem grande coisa a fazer, foi aguardar que o problema não se agudizasse...exatamente o que não aconteceu! Segunda passagem e algumas travagens queimadas, agora com a mudança a não entrar de todo. Cinco segundos a mais no cronómetro e a decisão de parar por ali, afinal só se poderia estragar mais...

Ficou a perfeita sensação de que lutar pelo pódio teria sido perfeitamente possível. E o desejo de que, daqui por duas semanas, e caso o Lisuarte consiga a deslocação, vamos estar com ânimo redobrado na 1ª Super Especial Ilha das Flores, onde o desconhecimento do percurso fará, certamente, sobressair quem melhor se aclimatar aos ares ocidentais. Até lá e um obrigado sincero ao meu piloto de ocasião e a quem ajudou em mais esta participação, numa tarde muito bem passada e com andamentos muito rápidos de várias equipas.

 

Super Especial Cabo da Praia...

Uma travagem queimada...

publicado por MSA às 13:45
link do post | comentar | favorito
Domingo, 18 de Agosto de 2013

Chama imensa.

A chama imensa...

Entendi há pouco que ter na alma a chama imensa é levar na cabeça, nove anos seguidos, na jornada de abertura do campeonato...

Não quero.

publicado por MSA às 19:58
link do post | comentar | favorito

Amazing Brianna.

Brianna Rollins impressionou em Moscovo...

Brianna Rollins, a nova "máquina" norte-americana de passar barreiras, impressionou ontem nos Mundiais de Atletismo de Moscovo - evento que termina daqui a pouco -, ao vencer de forma clara a final dos 100 metros barreiras.

A um dia de completar 22 anos de idade, o jovem protento dos Estados Unidos partiu mal, ainda mais face à oposição firme da consagrada australiana Sally Pearson, mas não se fez rogada, retomando sem mácula a sua forma espantosa e usando a bom modo uma velocidade que já conquistou o mundo.

Depois de vencer os "Trials" por terras do Tio Sam, Brianna tem agora um futuro imenso como campeã à sua espera. Amazing!

publicado por MSA às 18:25
link do post | comentar | favorito

Lorenzo wins...

Um retrato fiel de uma entrevistadora pfffff...

Este cartoon do perspicaz Henrique Monteiro, resume em três imagens e outras tantas legendas, a atitude presunçosa e pouco-profissional de Judite de Sousa na recente entrevista ao jovem "yuppie" luso-brasileiro Lorenzo Carvalho. O tema já foi mais do que tratado, pelo que fica apenas mais um lembrete...palavra que a dita jornalista de sucesso também não sabe pronunciar. Nem esta!

publicado por MSA às 17:25
link do post | comentar | favorito
Sábado, 17 de Agosto de 2013

Happy 55th Birthday, Miss Ciccone!

publicado por MSA às 03:33
link do post | comentar | favorito

SE Cabo da Praia - Lista de Inscritos

A lista de inscritos para hoje...

publicado por MSA às 03:31
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 16 de Agosto de 2013

Ivy Levan - Money

publicado por MSA às 14:06
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 15 de Agosto de 2013

3 . ilhas . 3

Terceira, São Jorge e Pico...

Foto: António Araújo

publicado por MSA às 16:02
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 14 de Agosto de 2013

Lisuarte Mendonça estreia Saxo ex-Meneses

Lisuarte Mendonça nas Sanjoaninas'13...

Fotos: António Bettencourt

 

Depois de várias épocas com o pequeno Citröen AX GTi, que lhe permitiu vários resultados de relevo, Lisuarte Mendonça regressa este sábado à competição, mas ao volante de um Citröen Saxo Cup, exatamente o antigo carro de Fernando Meneses, no qual Mendonça chegou a navegar o piloto das Lajes.

 

Para a Super Especial do Cabo da Praia, o objetivo "é começar a rodar com o carro, depois de já ter sido carro-zero nas Sanjoaninas, e ir percebendo as afinações ideais para as próximas provas. O percurso é bastante rápido e vamos ver o que conseguimos fazer face a outros carros semelhantes", explicou o piloto.

 

Lisuarte Mendonça vai ser acompanhado por Miguel Sousa Azevedo, habitual navegador de Marco Veredas, sendo que a dupla também deverá marcar presença na Super Especial Ilha das Flores, no próximo dia 31.

publicado por MSA às 20:10
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 13 de Agosto de 2013

Placebo - Special Needs

publicado por MSA às 16:11
link do post | comentar | favorito

João Rocha e Madalena Lopes dominaram Degraus da Praia

O plantel da edição 2013 dos Degraus da Praia...

Fotos: António Bettencourt

 

Uma participação recorde de 36 atletas marcou a sétima edição dos Degraus da Praia, prova corrida no passado sábado, na Serra do Facho, e que foi dominada por João Rocha, novamente vencedor masculino mas agora com 1m41,78, e pela jovem Madalena Lopes - de apenas 8 anos -, que ganhou destacada em femininos, com 3m06,41.

 

Os pódios completaram-se com José Santos e o veterano João Valadão (masculinos), e com Ana Félix e Sara Valadão (femininos), sendo ainda de destacar a excelente prestação do muito jovem (11 anos) Manuel Alves, que foi o sétimo da geral absoluta, com 2.27,82.

O pódio final masculino...

 

O pódio final feminino...

Destaque também para o atleta mais idoso, o jorgense Antão Brasil, com 74 anos de idade, que veio acompanhar o já conhecido Serafim Brasil que, aos 70 anos, retirou cerca de 16 segundos à sua marca de 2012. A presença mais jovem foi da pequena Matilde Lopes, com apenas 6 anos de idade.

 

A prova, organizada pela porto das pipas PRESS, teve este ano a colaboração da Olavo Esteves Competições, antevendo-se "uma edição mais dinâmica e abrangente para 2014, com esta parceria e de preferência sempre no programa das Festas da Praia", assegurou Miguel Azevedo, o responsável pelo certame.

 

Os Degraus da Praia, que se correm desde 2006, levaram o extenso plantel a superar os 280 degraus trilhados na encosta da Serra do Facho, um desafio que continua a ter em Jorge Nunes - que esteve ausente - o seu recordista, graças ao tempo de 1m37, conseguido em 2009.

Nova parceria, já a pensar na prova de 2014...

Classificação Final

 

1º João Rocha (1.41,78); 2º José Santos (1.53,84); 3º João Valadão (1.54,02); 4º Pedro Bartolomeu (2.05,63); 5º Miguel Gaspar (2.20,11); 6º Luís Lopes (2.21,77); 7º Hugo Rabaçal (2.27,24); 8º Manuel Alves (2.27,82) -1ºM-12 anos; 9º Roberto Vitorino (2.30,03); 10º Simão Nobre (2.31,84); 11º Manuel Martins (2.36,09); 12º Paulo Henrique (2.36,88); 13º António Nobre (2.46,12); 14º Miguel Aires (2.56,30); 15º João Bartolomeu (2.58,54); 16º Manuel Oliveira (3.01,10); 17º Gustavo Landeiro (3.05,52); 18º Madalena Lopes (3.06,41) - 1ºF e 1ºF-12 anos; 19º Emanuel Borges (3.06,77); 20º Pedro Nascimento (3.11,48); 21º Joaquim Gaspar (3.14,17); 22º Ana Félix (3.17,43); 23º Sara Valadão (3.28,03); 24º Serafim Brasil (3.28,43); 25º Paula Filipe (3.31,63); 26º Mariana Lopes (3.33,30); 27º Isménia Landeiro (3.34,97); 28º Lisandra Meneses (3.45,52); 29º António Alves (3.49,70); 30º Raquel Aguiar (3.49,84); 31º Francisco Rosa (3.50,84); 32º Beatriz Landeiro (3.57,81); 33º Antão Brasil (4.18,28) atleta + velho 74 anos; 34º Marisa Simão (4.58,73); 35º Matilde Lopes (8.50,34) atleta + novo 6 anos; 36º Isabel Landeiro (10.56,93)  

publicado por MSA às 14:19
link do post | comentar | favorito

Fotos do Bettencourt...na Base.

Exposição de fotografia do Miguel Bettencourt...

" No próximo dia 14 de Agosto, pelas 21h30, será inaugurada, no Salão do Clube de Oficiais da Base Aérea n.º 4, uma exposição de fotografia de Miguel Bettencourt. A entrada é livre e haverá prova de vinhos e queijos... "

 

Depois da apresentação "oficial" da mostra, apraz-me acrescentar que o Miguel Bettencourt - que podem ler e entender aqui e aqui... - é um amigo de longa data e ainda maiores cumplicidades, de quem sempre admirei a capacidade de se aproximar, inteirar e dedicar ao que quer para a sua vida. Fê-lo em relação à informática, em relação à fotografia, está a agora a fazê-lo com a corrida, e encerra diariamente essa(s) qualidade(s) como pai e marido atento. Não podia, também por isso, deixar de divulgar a sua exposição - avançando já com uma garantia de imagens sentidas e bem orientadas -, assim como de partilhar um texto - escrito pelo Pedro Horta - sobre a mostra, que se inicia esta quarta-feira, e o seu autor... Podem lê-lo aqui.

 

PS-Já agora, e mesmo se já escrevi isso, o Miguel Bettencourt é que (me) criou este blogue há nove anos e meio. E nunca mais (se) parou...

publicado por MSA às 11:04
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 12 de Agosto de 2013

Mar.

Porto Martins, ontem de manhãzinha...

Porto Martins. Ontem de manhã. Há sítios onde o mar apenas bate na rocha. Outros, onde insiste em falar-nos ao coração...

publicado por MSA às 15:26
link do post | comentar | favorito

Corrida Festas da Praia 2013 (RTP/Açores)

publicado por MSA às 14:59
link do post | comentar | favorito
Domingo, 11 de Agosto de 2013

E vão 20 Supertaças!

Mais uma super-taça azul e branca...

20 vitórias em 35 edições da Supertaça Cândido de Oliveira, com as últimas cinco a serem consecutivas. É este o cartão de visita do Futebol Clube do Porto na competição que, tradicionalmente, abre a época do futebol português.

O triunfo de ontem, por 3 a 0 sobre o Vitória de Guimarães (com golos de Licá, Jackson e Lucho), foi elucidativo sobre as potencialidades do grupo que Paulo Fonseca começou há pouco a liderar. A co-responsabilidade do resultado que atribuiu ao antigo técnico dos Dragões, Vitor Pereira, é também uma demonstração da forma de estar no desporto do jovem treinador. Em campo, o Porto mostrou bem que não é preciso sofrer até aos 90 e tal minutos de jogo, arrumando a questão ainda na primeira parte...

publicado por MSA às 20:35
link do post | comentar | favorito
Sábado, 10 de Agosto de 2013

Degraus da Praia esta tarde.

O difícil percurso da prova na Praia da Vitória...

É já esta tarde, pelas 18h00, que se realiza a sétima edição dos “Degraus da Praia”, prova de corrida que levará os atletas a subirem os cerca de 280 degraus trilhados na encosta da Serra do Facho, na Praia da Vitória.

O evento integra o programa desportivo das festas concelhias e é organizado pela “porto das pipas PRESS”, desta feita com o apoio da "Olavo Esteves Competições". As inscrições poderão fazer-se até cerca de 20 minutos antes do início daprova, sendo que os atletas vão correr em contra-relógio, com partidas de minuto a minuto.

O recorde do percurso está na posse do Jorge Nunes, vencedor do certame por três vezes, que completou a subida em 1m37, na edição de 2009. No setor feminino, a recordista é Fabíola Landeiro, que conseguiu 2m48 na edição do ano passado.

Depois da divulgação no "Interilhas" de ontem (Antena 1/Açores), hoje foi tempo da prova marcar presença no noticiário da estação pública:

 

publicado por MSA às 14:23
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 9 de Agosto de 2013

!!! - One Girl/One Boy

publicado por MSA às 19:46
link do post | comentar | favorito

Degraus da Praia no "Interilhas"...

Um dos concorrentes da edição de 2012...

Corre-se (ou anda-se...) amanhã mais uma edição dos "Degraus da Praia", a sétima desde 2006. A prova está marcada para as 18h00 e integra o programa desportivo das Festas da Praia.

Hoje foi dia de mais uma pequena conversa com o Vasco Pernes que, no (agora) seu "Interilhas", novamente ajudou a divulgar o certame:

 

publicado por MSA às 18:06
link do post | comentar | favorito

Anna Kendrick - Cups

publicado por MSA às 12:40
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 8 de Agosto de 2013

Como marcha a amizade...

A Marcha dos Veteranos, ontem na Praia da Vitória...

Porque ontem foi noite de marchas na Praia e a madrugada acabou por se prolongar. É um orgulho fazer parte de um grupo como a Marcha dos Veteranos. Ontem, mais do que os postais, os nossos carteiros partilharam alegria e companheirismo. E, acredite-se, ainda temos muito para dar Obrigado à Esmeralda Amaral e à Pilar Belerique, as minhas "chefes" da marcha. Para o ano cá estaremos!

 

Os brincos da Marcha...

publicado por MSA às 22:43
link do post | comentar | favorito

Perigos do mar...

Conhecer alguns perigos do mar...

publicado por MSA às 16:27
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
17
18
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. A Festa é na Madalena!

. Kodaline - High Hopes

. Gozar (da falta) do sorri...

. Tralha.

. Tiago Valadão venceu na I...

. The Gift - Big Fish

. Angra by Night.

. 9º Rali Ilha Graciosa: Cl...

. Opinião...à distância.

. Rali (também) na Grafil.

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

.quem cá passa

Contador de visitas

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds