Miguel Sousa Azevedo

Create Your Badge
Segunda-feira, 31 de Janeiro de 2011

Pista à vista na Praia!

Ampla vista do espaço em construção na Praia da Vitória...

Fotos: Ricardo Laureano

 Falta menos de um mês para que a animação comece no primeiro recinto específico da região para a prática dos desportos motorizados. Na Praia da Vitória, mesmo ali atrás do estádio municipal, mais uma “empreitada” – esta, sem dúvida, a maior de todas… - da “Olavo Esteves Competições” ganha os contornos finais. Segundo o empreendedor piloto praiense, “estamos a cerca de 80% da feitura da pista. Um pouco abaixo do que pretendia, pois o mau tempo tem atrapalhado, com chuva intermitente durante quase duas semanas, e isso impede o trabalho normal de retroescavadoras e cilindros”, mas, “nem que tenhamos de trabalhar aos fins-de-semana com as niveladoras, espero ter a pista operacional entre os dias 15 e 20 de Fevereiro, até porque nessa altura serão os primeiros reconhecimentos e os testes com a iluminação, podendo já os pilotos ver com o que contam. O atraso não é preocupante, mas precisamos de quatro ou cinco dias de bom tempo para começar a consolidar o piso, pois esse é o grande avanço que falta”, explica Olavo Esteves.

Será, sem sombra de dúvida, um local de referência para o crescimento das modalidades com motores entre nós, numa iniciativa que, “convém referir, é totalmente privada e feita num terreno alugado para o efeito”, esclarece o empresário, relatando que, “temos algum apoio logístico da câmara da Praia da Vitória, e posso já anunciar que a Terauto será o patrocinador oficial do recinto em 2011, isto no ramo automóvel, pois foi decidido que a nossa estratégia comercial vai assentar em apenas um parceiro de cada área, de modo a não haver atritos, até porque a publicidade será disposta uniformemente e sempre bem mantida por nós”, assegurou.

Em termos de actividades, e sabendo-se que “a 25 de Fevereiro será a inauguração do centro, com a pista principal a receber duas super-especiais do 1º Rali Cidade Praia da Vitória”, as expectativas “são as melhores, pois superámos o numero previsto de inscritos no motocross, e ultrapassámos o mínimo exigido para o troféu de quadcross. Para as resistências em TT pensava ter já uma maior adesão, assim como para o Autocross – onde há já uma competição júnior confirmada e que se poderá integrar em formação desportiva -, mas sei que quando as provas começarem os interessados vão aparecer, porque com provas em andamento o apetite vai abrir…”, comenta Olavo Esteves, acrescentando que “essas competições terão inscrições abertas até 10 de Março”.

Para esse mês (dias 18,19 e 20) está agendada a primeira “enchente” com todas as modalidades à disposição, realizando-se “o 1º Festival Motorsport da ilha Terceira, onde a grande novidade serão os Kartcross, com uma inédita corrida entre nós, e que tem já confirmados seis pilotos do continente, três de São Miguel e um piloto local, o primeiro a aderir à modalidade. Além de várias corridas nos três dias e dos já conhecidos karts de aluguer”, revelou. 

Olavo Esteves, orgulhoso de mais esta iniciativa...

O que é o CDM/Praia da Vitória?

 “É uma estrutura idealizada para todo o tipo de competições motorizadas, que são a sua essência, mas já fomos contactados para hipotéticas provas de atletismo (corta-mato) e já houve uma sondagem relativamente ao BTT. Localiza-se atrás do estádio municipal, tem acessos próprios e parques de estacionamento para todo o tipo de assistência (3 para espectadores, comunicação social, viaturas de emergência e organização) sem que estes interfiram com o que se passa em pista. A sinalização exterior estará também assegurada para um fácil acesso”, diz Olavo Esteves.

“A pista em si tem cerca de 1800 metros em piso de terra, com um traçado idealizado para este terreno e a contar com zonas de várias velocidades e dificuldades, o que se conseguiu a ver pelas opiniões de alguns pilotos que já estiveram no local. Tem uma largura máxima de 12 metros, a possibilidade de várias configurações, e penso que na primeira experiência os pilotos vão ficar muito agradados. Há uma outra pista interior, para as motos e os quads, cujo traçado está a ser delineado por um grupo de pilotos locais, de forma a garantir a maior consensualidade, pois temos de contar com todos os concorrentes”, explicou o mentor do projecto.

publicado por MSA às 23:46
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Domingo, 30 de Janeiro de 2011

Legião Urbana - Faroeste Caboclo (ao vivo)

publicado por MSA às 11:30
link do post | comentar | favorito
Sábado, 29 de Janeiro de 2011

Pois é, já se passaram 25 anos...

publicado por MSA às 13:19
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Face ao preço dos combustíveis...

...nada como uma nova solução!

Foto: Ricardo Laureano

publicado por MSA às 11:14
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 28 de Janeiro de 2011

Claridade(s)...

A estabilidade da região, em imagem...

-Claro que a ex-secretária regional da educação não saiu do executivo por causa da polémica em torno de um favorecimento familiar em negócio público. Tão pouco terá abandonado o cargo pela sua inabilidade política e pouca capacidade de expressão, daí os agradecimentos proferidos pelas hostes socialistas ao seu desempenho.

 

-Claro que não estava já preparada esta pequena achega no reformular do executivo, nem ligada a ela esteve a não-ascenção a líder parlamentar da bancada rosa da agora surpreendentemente revelada nova secretária regional da educação.

 

-Claro que o filho da governante que devolveu a bolsa de estudo tinha o dinheirinho guardado num mealheiro, pois o peso na consciência impediu uma rápida ida aos saldos. Até porque, claramente, o dito valor foi devolvido em Dezembro, mas só agora se soube do sucedido para não afectar as promoções em andamento no comércio tradicional.

 

-Claro que não é um acto populista alargar às autarquias açorianas a polémica, mas tão consensual, remuneração compensatória para quem aufere entre 1500 e 2000 euros mensais. Afinal a medida até irá beneficiar sete ou oito dezenas de trabalhadores, deixando na mesma apenas os outros milhares de funcionários das câmaras municipais da região.

 

-Claro que foi sem mágoa ou mau perder que se anunciou a remodelação diminuída da intervenção - e que insistem apelidar de requalificação... - projectada para a Praça Velha, em Angra do Heroísmo. Nem tão pouco se entendeu que, face à vontade popular, o executivo autárquico tenha cedido minimamente de livre vontade e sem qualquer esboço de ressentimento.

publicado por MSA às 15:28
link do post | comentar | favorito

Marcel Marceau - l'escalier

publicado por MSA às 13:29
link do post | comentar | favorito

Entrudo de sala de aula...

A magia de querer saber quem está por trás de cada máscara...

Nos três primeiros dias desta semana participei, naquela que foi a minha entrada inicial na nova Academia da Juventude da ilha Terceira, num workshop, ministrado pelo escritor e poeta Álamo Oliveira, onde se tentou unir o teatro e o nosso carnaval popular, numa hábil mescla entre as origens clássicas das artes de palco e o que hoje assistimos, de salão em salão, sob a forma de danças e bailinhos. Com muitas mais horas para depor e conversar, naturalmente que não vou resumir as sessões, que acabaram com um exercício prático (na quarta-feira, dia 26), desafiando a pouco-mais-que-dezena de participantes fixos a encenar um texto cómico, lembrando o incomparável entrudo terceirense, em jeito de comédia e a “cair” para o bailinho. Antes disso, e no andamento das alocuções, foram-nos pedidas definições pessoais de teatro (segunda-feira, 24) e de teatro popular (terça-feira, 25).

Partilho aqui o que escrevi, deixando à imaginação de quem não esteve presente o exercício de juntar o clássico ao empírico, as cadeiras sumptuosas das grandes salas de espectáculo às pequenas colectividades de freguesia, e daí tirar as suas próprias ilações sobre os modos de actuar e, sempre, o jeito irrepreensível de como o palco nos faz sonhar. Mesmo que estejamos do lado da plateia.

 

Teatro (definição pessoal)

O teatro é uma realidade diferente em que gosto de me deixar envolver. Mesmo se dela guardei sempre a distância necessária para não ser afectado, mas apenas agradado.

Gosto de me vestir para ir ao teatro. Gosto do silêncio quando estou no teatro. Gosto da dualidade do teatro como acção e como espaço físico.

Gosto da fantasia, da cor, dos berros e dos sorrisos do teatro.

Gosto do teatro porque o teatro é mesmo vida. Mesmo se nunca fiz teatro e se abusamos diariamente deste nosso palco.

Não gosto, no teatro, do facto de estar sentado muito tempo. Desconcentra-me.

 

Teatro popular (definição pessoal)

O teatro popular é bom porque pode estar ali ao pé da porta. E é mau porque, só a espaços, satisfaz as elites.

No entanto, e partindo do principio que ser popular pode indicar êxito fácil, esse teatro dito de proximidade pode também cavar um fosso para a audiência.

Caberá a quem o representa e a quem o vê distinguir-lhe as qualidades. Como com todas as outras coisas boas e más é a apreciação global a ditar leis. E essa está sempre longe de ser consensual.

 

Encenação (a minha parte)

 

(Saudação…por uma colega de grupo)

 

Boa noite a toda a gente

Que se encontra aqui presente

Nesta Praia da Vitória

Jornalista me apresento

Na língua não tenho tento

Sou da RTP-Memória

 

Viemos entrevistar

E ajudar a divulgar

O que aqui se aprendeu

Fala em primeiro lugar (fazem-se todos distraídos)

Aquele que quiser começar (fazem de conta, até que um avança…)

 

(…)

 

(participação…eu)

 

O tema era atraente

E já deu trabalho à gente

Que trouxe a papinha feita (aponto outros elementos do grupo)

Eu cá não me adiantei

E tanto deputado escutei

Que a memória ficou estreita

-

Felizmente aqui na mesa (aponto todo o grupo)

Há gente, pois com certeza

Que rima e faz sorrir

E se esteve a trabalhar

Nem se quis atrapalhar

E fez graças de aplaudir

-

Se é outro o meu Carnaval

Que não me levem a mal

Nado e criado na cidade

Mas quando o assunto é rir

Passa o jeito de sair

E isto cresce com a idade

-

Cá viemos ouvir o mestre (aponto o Álamo Oliveira)

A dizer algo que preste

Sobre terra tão inteira

Que se ri sem ver de quê

Sem ser tola ou estar p’ra sê

O carnaval é na Terceira

 

(…)

 

(Despedida…por uma colega de grupo)

 

E agora desce o pano

O resto…fica p´ró ano!

Momento de uma das sessões do workshop...

Foto: António Araújo/DI

publicado por MSA às 12:50
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 27 de Janeiro de 2011

Monte Carlo bate recordes na TV...

Bryan Bouffier surpreendeu na prova monegasca...

Cerca de 14 milhões de telespectadores assistiram à prova inaugural do campeonato de ralis IRC, o Rali de Monte Carlo, através do canal Eurosport. Comparando com 2010, terão sido mais 2 milhões de pessoas a seguir a prova através da televisão, representando um aumento de 16,5% face aos números de há um ano.

Um dos pontos altos das transmissões foi mesmo a estreia da tecnologia simulcam que permitia comparar diferentes estilos de condução e pontos de travagem. Além disso, a emotividade que o rali ganhou pela "hecatombe" de favoritos provocada por um nevão inesperado contribuiu igualmente para somar mais interesse à competição ganha por Bryan Bouffier, em Peugeot.

O autor deste blogue gravou tudo o que deu sobre a edição que comemorou os cem anos da prova monegasca...mas confessa não ter tido ainda tempo para ver tanto troço. E o pior é que à espera estão ainda duas transmissões da prova de 2010...

publicado por MSA às 22:13
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 26 de Janeiro de 2011

Propaganda - Duel

publicado por MSA às 00:28
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 25 de Janeiro de 2011

Dar cavaco à Praça Velha...

A Républica, encimando a central praça de Angra...

O título desta crónica pode pressupor alguma mariscada na sala de visitas da cidade património dos Açores, mas não. Pretendo somente aflorar os dois acontecimentos políticos mais importantes dos últimos dias, e que foram a reeleição de Cavaco Silva como presidente da república e a apresentação (ao público) da requalificação decidida para a Praça Velha. O primeiro facto, pela miserável quantidade de eleitores que, no arquipélago, se dirigiu às urnas, parece nem ter despertado grande interesse, até porque em causa estava apenas escolher o mais alto magistrado do país. Já no que toca ao assunto seguinte, aí a coisa fia mais fino, pois de imediato as vozes populares se levantaram, como se da coerência estética da bonita praça dependesse a felicidade humana.

Vamos por partes e, na corrida a Belém, Cavaco Silva obteve mais ou menos o que se esperava – no meu caso escrevi em Outubro mais ou menos o mesmo que escreveria hoje… -, sendo reencaminhado num cargo, para o qual promete uma nova via institucional nos cinco anos que se seguem. Atrás dele ficaram candidatos de regime, de acusações, de cidadania e de (até) espontânea palhaçada, mas o povo foi soberano e atribuiu à estabilidade e à maior coerência dos apoios consagrados por Cavaco o importante papel de segurar o país, por menos destaque que se queira dar à intervenção presidencial.

Aqui ao pé da porta, onde aliás Cavaco esmagou a concorrência de forma claríssima, o debate da Praça Velha tomou os cafés vizinhos, rumando à sociedade angrense que já se manifestou em petição pública por uma ampla e aberta discussão rumo à consensualidade da intervenção. Intervenção que, aliás, até é de aplaudir, pois a dita praça bem precisada está de uma mexida, sendo só pena que o estado decrépito de todo o piso público do centro angrense não mereça da entidade camarária tal clemência.

Mais do que dar aqui a minha opinião sobre os bancos de betão escolhidos – que até acho feios para o fim em vista… -, sobre o quiosque em causa – que também acho feio… - ou sobre as árvores anunciadas – que espero se coadunem tecnicamente com a regularização esperada para a manta de Mestre Maduro Dias… -, alerto para um facto indesmentível e que, esse sim, criou o alvoroço eminente de se (re)mexer no coração de uma cidade. E logo de uma cidade como Angra.

Munida do mesmo senso democrático com que anuncia à vereação maioritária da oposição muitas das suas acções, a câmara municipal decidiu requalificar a Praça Velha “sem dar cavaco às tropas”. E as tropas, neste caso o povo que resta lúcido na sequência hereditária do velho burgo quinhentista, achou que isso era um abuso. Como abusivas têm sido várias intervenções de monta no nosso concelho. Felizmente o povo ainda é soberano, só que nas tropas vai mandando (mesmo) quem governa…

publicado por MSA às 00:06
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Segunda-feira, 24 de Janeiro de 2011

Tasca “O Papagaio” mantém a tradição…

Passagem na zona dos Viveiros...

Foi num domingo tipicamente terceirense – onde o sol, as nuvens e a chuva miudinha dançaram alegremente até à hora de sentar à mesa… - que o sexto passeio TT da tasca “O Papagaio” deu, ontem, continuidade à época de lazer fora-de-estrada na ilha lilás, juntando muitas dezenas de jipes, quads e motos para uma ronda de pouco mais de 70 quilómetros – traçada pela mão calma de João Parreira -, numa jornada que ainda deu para algumas emoções pois, passando por zonas mais “trialeiras”, criava alternativas para os mais afoitos fazerem o gosto às redutoras e afins. Mas como ainda faltam algumas semanas para se entrar “a doer” na onda dos azimutes e dos guinchos em plenas funções, não houve obstáculos de monta para o grosso da caravana, que contornou a ilha pelo lado oeste, rumando depois do norte ao centro, para novamente se estabelecer no local de partida: a praça de toiros da Terra Chã, à Fonte Faneca. Por aí, e já passando da uma da tarde, João “Camurça” e a sua equipa tinham quentes as sopas do Espírito Santo e o cozido, e em mesa posta de boa disposição todos se dispuseram a contento para depois degustar uma saborosa alcatra, que se rematou com um belo arroz-doce, este com motivos de canela do mais puro “off-road”. As reses bravas não faltaram após a sobremesa, cabendo aos “juvenis” da Tertúlia Tauromáquica Terceirense efectuar um treino com público atento, num certame que se estendeu pela tarde eleitoral dentro. Foi um bom prenúncio para o ano “motorizado” mais atarefado de que há memória por estas bandas. E que ainda agora começou… 




6º Passeio TT "Tasca O Papagaio"

publicado por MSA às 14:57
link do post | comentar | favorito

Agenda.

Cavaco Silva reencaminhado em Belém por mais cinco anos...

Não custa muito publicar aqui uma imagem da personalidade que os portugueses quiseram reencaminhar para Belém, não para gerir os destinos da nação, mas antes para manter uma certa coerência política e o ar sério de quem, goste-se ou não do estilo, tem mão firme nas acções.

Cavaco Silva não teve uma vitória retumbante, mas o seu principal adeversário - que não opositor... - teve uma derrota retumbante. Esse é o facto a reter. Sendo que o mesmo sucedeu em todo o território nacional. Por isso, continuamos a ter presidente...

 

Uma breve referência reclacionada com o país do "simplex", do choque tecnológico e das opções de ponta na investigação e ciência. O que aconteceu com as listas de eleitores e os novos cartões de cidadão é vergonhoso. Mas é mesmo de vergonha em vergonha que Portugal se vai arrastando.

publicado por MSA às 13:08
link do post | comentar | favorito

O Pico...por entre-Velas...

Bonita manhã, sábado passado, nas Velas de São Jorge...

Foto: Mark Marques

publicado por MSA às 11:29
link do post | comentar | favorito
Domingo, 23 de Janeiro de 2011

Carnaval e Teatro, por Alámo de Oliveira...

Álamo Oliveira vai tratar os fenómenos de palco...

publicado por MSA às 11:39
link do post | comentar | favorito

Fora-de-estrada...e na mesa!

Bom passeio a todos!

publicado por MSA às 09:26
link do post | comentar | favorito

Petição pela Praça Velha...

Sem dúvida que a discussão pública se exige...

Assinar a petição pública abaixo transcrita é tão somente assumir o gosto e o amor pela nossa cidade de Angra. Confirmando que é a discutir as coisas e a ouvir as pessoas que se decide o futuro dos espaços onde escolhemos viver. Só por isso, penso que vale a pena...

 

PS-Pesem embora os tempos, supostamente, de liberdade que vivemos, já me faltam os dedos das mãos para contar o número de pessoas que conheço e que, mesmo concordando com este texto ou com o seu sentido, não assinarão abaixo do mesmo para não associarem o seu nome ao pedido, temendo eventuais represálias ou consequências...


Ex.mo. Senhor Presidente da Assembleia da República
Ex.mo. Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional
Ex.ma. Senhora Presidente da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo

Não queremos o projecto de requalificação da Praça Velha sem discussão pública prévia.

Angra do Heroísmo ainda é uma cidade património mundial e isso deve-se, em grande parte, ao facto de ter características estruturais e visuais “antigas”. A Praça Velha em particular é um local de grande movimento, lazer, convívio e inclusive descanso; é das poucas praças desta Ilha que ainda não foi requalificada e, olhando para as intervenções feitas no centro histórico, poderemos afirmar que estas não foram efectuadas por necessidade, mas sim para uma presumível “modernização” e apresentar obra feita. Não somos contra intervenções que tenham por objectivo melhorar a qualidade de vida dos cidadãos e embelezar os espaços públicos. Infelizmente esta cidade ainda não foi “abençoada” pela mão de um Arquitecto (a quem alguém já chamou - os poetas do espaço -) que soubesse enquadrar o antigo com o moderno. Uma cidade património mundial não tem de ser uma “cidade Múmia” mas há que relembrar que os critérios subjacentes a qualquer intervenção terão de ser criteriosamente estudados, avaliados e discutidos publicamente. A beleza não vem apenas da inovação, a conservação do que já é funcional e bem integrado merece ser mantido.
Há que referir que o projecto para a referida requalificação foi apresentado ao público no dia 18 de Janeiro de 2011, afirmando que as obras irão ter início em Fevereiro; temos de apontar o facto desta divulgação ter sido feita tardiamente, sem dar hipótese a qualquer possibilidade de discussão prévia; e segundo julgamos os materiais (quiosque e bancos) já estão disponíveis nas instalações da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, ou seja, foram adquiridos sem ocorrer qualquer discussão pública.
Seguidamente analisaremos o projecto, ponto a ponto, comentando o que foi publicado no dia 19 de Janeiro de 2011, no Diário Insular:
1-“O quiosque que serve de apoio à esplanada será substituído por uma estrutura rectangular envidraçada com cinco por 2,5 metros e que ficará numa das laterais da Praça Velha, de forma a não impedir a visibilidade do edifício dos Paços do Concelho.” – O quiosque que lá existe está bem enquadrado e está inserido num vértice da Praça, não obstruindo por isso a visibilidade para o edifício dos Paços de Concelho.
2-“Os bancos de madeira serão substituídos por outros de linhas modernas de cor branca e instaladas papeleiras.” – Os bancos existentes são característicos, havendo bancos idênticos no Jardim Municipal fazendo com que haja uma coerência urbanística na cidade; os bancos são utilizados frequentemente pelo público, maioritariamente idosos, não se percebendo a razão da sua substituição. Os que pretendem colocar não são confortáveis nem proporcionais ao espaço e esteticamente deploráveis.
3-“…serão colocadas novas árvores de médio porte com floração avermelhada que serão colocadas em anéis de betão para que as raízes não danifiquem a calçada, que será o único elemento que será mantido da forma em que se encontra.” – As árvores desta cidade têm sido alteradas sempre para pior. Mais uma vez não têm em linha de conta a proporção. Que mal existe em plantar menos árvores mas de maior porte em espaços amplos? Vamos ter Bonsais na Praça Velha? Uma copa grande serve, não só visualmente para dar uma perspectiva de grandiosidade, beleza, comodidade e uso funcional/sombra mas ainda para trazer o “Verde” aos centros urbanos.
Perante toda esta falta de respeito pelos cidadãos, pedimos que a requalificação proposta para a Praça Velha seja impedida e que os munícipes sejam ouvidos.

 LER E ASSINAR A PETIÇÃO AQUI

publicado por MSA às 01:09
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Sábado, 22 de Janeiro de 2011

The Lucky Duckies - É tão bom.

publicado por MSA às 22:55
link do post | comentar | favorito

Memórias de risco...

Os

publicado por MSA às 18:40
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

DFlat na Praia...

Mais uma banda no palco da Academia praiense...

publicado por MSA às 12:38
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 21 de Janeiro de 2011

Reflexão.

Domingo é dia de (re)eleger o Presidente da República...

Há quase três meses escrevi uma crónica alusiva às eleições de domingo. Peripécia aqui, discussão acolá, penso que não retiraria uma vírgula a esse texto, sendo que à altura decidi não tomar (mais) qualquer posição pública sobre o sufrágio presidencial. Nem sequer comentei os factos da mais fraquinha, mesquinha e tristonha campanha de sempre.

A alguns minutos de se iniciar o dia de reflexão, as certezas firmes são de que vou votar e de que, nas anteriores escolhas que fiz para Belém - também foram só duas... -, nunca coloquei a cruz no candidato vencedor. Desta feita penso que não me enganarei...

publicado por MSA às 23:35
link do post | comentar | favorito

A inaugurar amanhã...

Monumento ao Toiro...

Foto: André Leal de Sousa

publicado por MSA às 22:46
link do post | comentar | favorito

Lusitânia-Barreirense (amanhã)

Amanhã é dia de assistir à retoma lusitanista...

publicado por MSA às 11:45
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 20 de Janeiro de 2011

Taça do Grupo Central com 58 equipas!

Mais uma edição de um evento que fez escola...

Olavo Esteves não devia caber em si de satisfação na hora de contabilizar o número de inscritos para a edição 2011 da taça de ralis Além Mar do Grupo Central, uma competição a que se dedicou de corpo e alma e, como bem se vai vendo, que até fez escola por esses Açores, pois rapidamente se concluiu que o modelo “encaixava” de forma perfeita nas necessidades de terras com carências financeiras para voos mais altos, mas cuja paixão pelos automóveis deixou de se coadunar com a “espera” pelas provas de âmbito regional, afinal insuficientes para a ânsia de competir de muitas equipas. E desta vez foram 58 a dizer “OK” à chamada do TAC e do empresário praiense.

A parceria com o clube de Angra dá assim frutos condignos, reiterando-se que era necessário “abanar” estruturas para que isso acontecesse, e mesmo se há ainda quem não veja com os melhores olhos duas das questões primordiais no sucesso deste evento: o cumprimento escrupuloso de um conjunto de regras e opções - que até podem não ser as mais populares - e a entrada de uma entidade comercial para o reino clubístico, só que desta feita para organizar e não apenas para patrocinar, vender bens físicos ou arrendar serviços de ocasião.

Passada a primeira época federada, que deu títulos inéditos a Cláudio Bettencourt, Hélder Pereira e Filipe Moura, apresentam-se à competição 58 duplas (20 nos Homologados, 31 nos VSH e 7 nos Clássicos), de onde à primeira vista se destacam logo os nomes de Ricardo Carmo e de Tiago Azevedo, na companhia ao campeão da ilha branca. Representadas, e para além da natural maior quantidade de equipas terceirenses, estão as ilhas Graciosa, São Miguel e Santa Maria, com realce, ao nível dos VSH, para a inscrição dos rápidos Pedro Câmara e Sandro Andrade. Sem analisar a fundo um conjunto que promete juntar largas dezenas de pilotos em cada prova – a saber 1º Rali Cidade Praia da Vitória (Fevereiro), Rali Sprint Sanjoaninas 2011 (Junho), 2º Rali Ilha Graciosa (Julho), Rali Sprint Outono (Outubro) e Rali Sprint Natal (Dezembro) -, fica o aplauso para organizadores e equipas. Pelo arrojo de inovar e pelo brio de contornar dificuldades e marcar presença. Afinal, e já dizia o outro, “só faz falta quem cá está”…

 

- Lista de inscritos AQUI

 

publicado por MSA às 16:22
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 19 de Janeiro de 2011

A "nova" Praça Velha...

Uma outra vista da intervenção projectada...

Afinal na "nova" Praça Velha vai manter-se a actual calçada, acabando-se assim os temores dos que receavam o desaparecimento da manta de retalhos riscada por Mestre Maduro Dias. Afinal foi falso alarme, e apenas uma representação gráfica menos feliz levou a esse entendimento…

Afinal para a “nova” Praça Velha houve discussão “à séria”, de forma a auscultar quem se quis fazer ouvir – foram poucos, como sempre, e Maio ainda vai longe… -, mesmo se bancos e quiosques até já sejam dados adquiridos… e quase pagos, ao que se sabe. Afinal, foi uma boa intenção com rodeio de arte política a levar a esse entendimento de ronda pública…

Afinal com a “nova” Praça Velha pretende-se endireitar a desregulada publicidade no centro da cidade, possivelmente associando belíssimos acabamentos aos dois “trambolhos” de madeira da Rua da Esperança – onde qualquer semelhança entre o que agora lá está e bancos para sentar pessoas será mera coincidência… - e do Alto das Covas, onde anualmente jazem tristes cartazes e agrafos…

Afinal a sombra e as flores do arborizado para a “nova” Praça Velha – possivelmente o único ponto da obra cuja escolha poderia nem cair em polémicas, pois são mais as questões técnicas e de integração que outra coisa – ainda não estarão definidos, desejando-se que a escolha seja feliz e que o solo seja devidamente tratado. Assim, não haverá entendimentos errados sobre a tonalidade pretendida nesta autarquia multicolor…

Afinal os bancos da “nova” Praça Velha são em betão, e parece que já cá estão. Rima mas não encosta nada na parte de trás dos mais pequenos – cujo anfiteatro de conversa promete dores cervicais agudas… -, enquanto os enormes manos mais velhos se assemelham a abrigos, como o serão para detritos, mesmo se a sua contemporaneidade e beleza estética pareça de qualidade inatacável. Esse foi o entendimento de um especialista em bancos…que até pode ser de Alcobaça…

E, sobretudo, sobre a “nova” Praça Velha pouco vale escrever ou alinhavar. Talvez adivinhar, e sobretudo esperar…para ver.

Nunca como agora os munícipes angrenses estiveram tão próximos dos seus vereadores e executivo municipal. Especialmente perto dos vereadores da oposição, afinal pouco dista das horas a que eles, e nós, sabemos do que pretende para o futuro da cidade e do concelho...

 

publicado por MSA às 16:57
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Terça-feira, 18 de Janeiro de 2011

Beck - Devils Haircut

publicado por MSA às 23:44
link do post | comentar | favorito

Na senda do mau-gosto...

Sem comentários. Simplesmente sem comentários...

Referindo antecipadamente que nem me vou pronunciar sobre a iniciativa acima anunciada, deixo apenas um apelo aos angrenses para que marquem presença na apresentação desta tarde (18h30). Tanto os que discordam da ideia, como os que a suportam e apoiam.

Ou então, refastelem-se como de costume, para depois se multiplicarem as queixas entre o abrir o pacote de acúcar e o mexer do café...

 PS-Realço o destaque dado pelo site da autarquia à iniciativa... 

 PS2-Por volta das 15h30 - a apresentação é às 18h30 - lá inseriram a chamada à população. Isto quando anunciam tudo com semanas de antecedência, prova de que também esta acção nada tem a ver com a actual situação que vive a autarquia. Aliás, será que a presidente vai estar na apresentação?

publicado por MSA às 15:51
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

O fa(c)to do dia...

 

Era mesmo o que a cidade estava a pedir...

in jornal "a UNIÃO".

publicado por MSA às 02:15
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 17 de Janeiro de 2011

A crise nos Açores...

O presidente mas satisfeito de sempre...

Aqui há dias pus-me a pensar sobre o privilégio económico-financeiro que é viver nos Açores. Não, não pensem que sou funcionário público. Nem muito menos que ganho de uma assentada entre 1500 a 2000 euros por mês. Nada disso. Falo sim do paraíso confirmado que são estas nove ilhas de bruma de onde, imagine-se, a crise internacional é afastada - possivelmente pelo mesmo anti-ciclone que também identificou Pedro "Pauleta" no futebol internacional... - de forma mais eficaz que a acção de uma qualquer barreira anti-míssil no Médio Oriente.

Se assim não o entendem, então vejamos. Em 2008, e quando no mundo - o mundo "mau", o de lá de fora... - estalavam escândalos e falências que mudariam o cenário económico de forma crucial, e até enquanto o preço do crude subia mais alto que a abertura de um poço de petróleo recém-descoberto, nos Açores grassavam os desígnios do "super-ávite" - uma expressão que está já nos mais elementares regionalismos da linguística endémica... - e, em plena campanha eleitoral, o presidente César nem pestanejava quando se falava de crise.

Em 2009, e com o tal mundo externo virado do avesso, e com aquele país de nome Portugal a registar falências em catadupa e um desemprego galopante, nos Açores a crise era um fantasma que, embora parecesse existir, não afectava de todo estes nove recantos de sossego e turismo crescente. A paz reinante sossegava as maiorias instaladas.

Eis que, em 2010, uma mudança radical foi verificada. Afinal havia crise. Tremenda, horrenda, diabólica, e claramente herdada dos governos de Mota Amaral ou mesmo do reinado continental do tirano Cavaco Silva. Nos Açores, até havia crise, mas um grupo genial de governantes, qual fenómeno climatérico, tudo fazia para que ela passasse longe das moradas de Antero, Teófilo e Arriaga, isto já em tempos de centenário da República.

Estamos em 2011, e os Açores são uma parcela sem igual no mundo inteiro. O único sítio onde, nunca havendo crise, ela existiu. Mesmo passando ao largo destes negros rochedos vulcânicos...

publicado por MSA às 12:13
link do post | comentar | favorito
Domingo, 16 de Janeiro de 2011

No pódio da grande aventura...

Hélder Rodrigues foi terceiro no Rali Dakar...da América do Sul.

Foto: Red Bull Photofiles

publicado por MSA às 14:07
link do post | comentar | favorito

Carminho- Escrevi teu nome no Vento

publicado por MSA às 12:23
link do post | comentar | favorito
Sábado, 15 de Janeiro de 2011

TRANSFORM|ar.te| - Fanzine

Está online mais uma Fanzine da Burra de Milho...

 
A transform|ar.te| volta a circular. Se nada ficou das estórias de verão que acabaram com a vinda do outono, ficaram as epifanias... Eu epifano, Tu epifanas, ...Porque não?
Trabalhos de: Rui de Sousa/Miguel de Sousa Azevedo/Sónia Bettencourt/Teresa Prima/Patrícia Caeiro/Inês Ribeiro […] Não percas! Transforma-te.
                                              (Para ver online AQUI)

Um trauteio de Açores e vida… 

-Miguel de Sousa Azevedo (*)

Dos quatro anos lembro, como se fosse hoje, de fugir ao cocker spaniel de uma tia-avó em Lisboa. Encurralado numa cadeira, só depois reparei na ternura dos olhos do bicho que, nos minutos seguintes, já deixava fazer festas e me lambia as mãos com uma língua macia e rosada. Foi a segunda viagem, já que a primeira me lançara do ventre maternal ao mundo, na cidade-capital. Que ainda hoje não consigo compreender. Dias de saudades, registos de cores e vozes. Umas ternas, umas duras, umas com uma pronúncia que hoje se deita boca fora facilmente, e afinal apenas umas semanas antes da terra tremer. O dia do abalo e a imagem da rua a abrir, dos vizinhos a correr, dos copos de cristal a partir, e da criança sozinha que abriu a porta. E tudo gravou num pensamento para a vida. E como ficaram partidas e a preto-e-branco as casas, com a calçada num caos e as janelas entrelaçadas em tabiques húmidos. E as almofadas e colchões de palha a mostrarem como éramos antigos. Mas como logo entramos na nova era, com alumínios e mais pronúncias diferentes. Umas com cor, outras com vício, outras ainda com as notas do crescimento a remarem borda fora. E nunca mais foi como dantes, nos tempos em que o barco virava as gentes para a baía das descobertas e das naus. De lá para cá passaram natais e carnavais, com barbas de algodão e bolos de abóbora, com máscaras suadas e coscorões que estalavam. Vivendo-se o cheiro das comidas, a descoberta do corpo, o odor da terra, a dor de enterrar, e um sem-fim de sentimentos em que o olhar de criança – a da porta, do abalo – se mostrou crescido, virando contemplação e desgosto, palavra e assobio. Porque um assobiar para o lado é a atitude de quem sonha. E já me esqueciam as amoras, aquelas de-antes do escaravelho, e as roupas da base e o walkman da América. Que gente com coisas tão comuns que são únicas. Que gente que se banha em sal e se molha em mar, numa mistura que o sol tempera com a linha do horizonte por provador. E depois daquele contacto com o musgo do presépio, e do cheiro da água pura dos ribeiros ou do enxofre das caldeiras, mais fica por contrastar. Ao longo de todo um ano, que se multiplica pela vida ao ritmo do dia dos maios à varanda. E, numa catadupa de vivências e acções, morou ainda a poesia. Ou o exercício similar a pintar um quadro de ideias e sentidos com a ajuda de palavras e espaços, de paragens e rodopios com vírgulas em discussão e um amor que se atira ao papel. Onde se cola em jeito de assinatura e impressão digital, saindo pronto a mastigar de um qualquer multifunções, que isto hoje convém ser moderno e das redes sociais. E porque esta coisa de criar, ou de fazer criar, ou de ver criar e querer imitar, vem das casas. Dos projectos que por lá havia, que tresandavam a lápis e a borracha. É que deles saíram cidades. Ou pelo menos sonhos de como ter uma rua, um passeio, uma árvore e a força para sorrir. Sendo que estavam perenes de uma sede de atravessar as marés e de ver rio e serra, vinhedo e cantos cinzentos. Porque nem só as aves de verão nos voam ao coração. A rima dos tempos, fazendo passar uma esponja nas recordações, ou a espuma de uma onda que nunca sabemos onde bateu. Quem a levou?

É certamente desaconselhável deixar uma pergunta sem resposta, mas por mais que esforce as papilas gustativas e o ouvido, de todo fico a saber de que lado o salgueiro ganhou o seu sabor intenso. Mas sei que veio do mar.

PS-E ainda dizem que existe a tal açorianidade no que escrevemos. Pudera, respiramos estas terras décadas a fio, tentando sempre descobrir a inalcançável forma de as representar em paixão. Uma paixão do tamanho dos seus encantos e dissabores. E logo nelas, que são tão pequeninas no mapa…


 

(*) Jornalista em funções de assessor de imprensa. Colaborador de imprensa desportiva regional e nacional. Autor de um blogue das ilhas e há uma década com (pelo menos) um livro de poesia por publicar…

publicado por MSA às 14:09
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 14 de Janeiro de 2011

Percussão Mágica no interior...

Um concerto diferente amanhã à noite...

publicado por MSA às 13:23
link do post | comentar | favorito

O Tractor da Madrugada...

O tractor, na labuta ao raiar de mais um dia...

Foto: Ricardo Laureano

publicado por MSA às 12:49
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Concerto online (hoje à noite)

Concerto para assistir online, esta noite...

-Para assistir em directo, "sintonize" a tv online da Casa da Música AQUI

publicado por MSA às 12:41
link do post | comentar | favorito

Gimba & Os Bandidos - 38º Norte 9º Oeste

publicado por MSA às 11:26
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 13 de Janeiro de 2011

Em nome da excelência… (crónica)

José Mourinho, o melhor treinador de futebol do mundo...

A recente eleição - a primeira em conjunto pela FIFA e pela revista "France Football" - de José Mourinho como o melhor treinador de futebol do mundo não surpreendeu por aí além. O facto de ser uma escolha inédita, e que juntava novos métodos de preferência, obrigaria a "cortar" com as anteriores e, bem vistas as coisas, o que o "mister" português alcançou em 2010 dava e restava para merecer o prémio. Até porque, no encerrar de uma década - desde que se estreou como treinador principal - como profissional de gabarito, distingui-lo era, também, salvaguardar a sua qualidade e a sua eficácia, factores que mantém em alta, fruto também de opções criteriosas e de uma gestão incomparável da própria imagem.

 Mas a escolha de Mourinho encerra outra vertente, e esta mais virada para a portugalidade - que tanto se "trauteia" por esse mundo fora... - e para a actual situação de uma pátria desmembrada e incerta. Onde até uma entrevista de há umas semanas - dada pelo “Special One” - serviu para “injectar” alguma vaidade nacional, isto perante as mensagens de esperança avançadas por Mourinho. A rendição ao futebol, que ocupa parte grada da actualidade e cujas movimentações são o sal e a pimenta do dia-a-dia luso, propicia a que tal vá acontecendo e, bem medidos os egos dos portugueses, até os que mal “engolem” o sucesso do treinador terão sorrido durante a tarde da internacional distinção.

O certo é que a imagem de competência que Mourinho vai passando à globalidade contrasta de forma crassa com a imagem de Portugal no exterior. Sem casos ou escândalos que lhe belisquem a caminhada triunfante para ser o melhor treinador de sempre, independentemente dos rios de dinheiro que vai ganhando – e que motivam as naturais invejas e pequenezes… -, da falta de humildade que alguns lhe colam, ou de uma (muito) programada arrogância, que há dez anos a esta parte retira do dorso dos jogadores a pressão inerente dos grandes momentos e decisões desportivas. As nuances e os câmbios com que gere as diferentes etapas de um mundo de emoções colocam-no entre os melhores. E isso é inegável.

Mas as referências - que Mourinho tão bem deixou activas ao agradecer em português o título com que foi agraciado – ao seu currículo e forma de agir, aqui versando a valia técnica e os resultados alcançados, têm de orgulhar Portugal. No desporto, na ciência, na tecnologia ou na cultura, vão saindo das nossas fronteiras dezenas de vultos de destaque, muitos deles personalidades cujo reconhecimento internacional se junta a uma maturidade profissional e social que dificilmente singraria no território das cinco quinas. Afagando novamente os contrastes, vai sendo exactamente isso que falta aos nossos dirigentes políticos. Por mais que se pavoneiem ao lado dos grandes líderes mundiais ou que lhes reservem iguarias e sevícias de fino recorte cor-de-rosa. No campo é que (depois) se vê a diferença…

 

publicado por MSA às 00:33
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 12 de Janeiro de 2011

A seguir (no sofá)...

E no sofá se tomam tantas e tão importantes decisões...

"The Couch" - O blogue é outra história. Um dia estava o "Gajo no Sofá" a comer uma tigela de cereais e lembrou-se: "vou criar um blogue". E assim fez-se história. Eram Corn Flakes, segundo parece, mas o próprio não confirma nem desmente...

publicado por MSA às 17:30
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Passeio TT "Tasca O Papagaio" é dia 23...

Novamente o João Camurça a levar a cabo o seu passeio TT...

Já se prepara nova iniciativa fora-de-estrada na Terceira, desta feita com a sexta edição do “Passeio Tasca O Papagaio”, evento que se vai realizar no próximo dia 23. Esta noite estão abertas as inscrições – das 18 às 21 horas, na sede do TAC -, sendo que, para a edição 2011, o bem conhecido João “Camurça” aposta novamente “num passeio rolante, onde os 4x4 e as motos não terão dificuldades de maior em transpor obstáculos, e novamente com o convívio a ser o objectivo principal”, disse à nossa reportagem.

Com um custo por pessoa de dez euros (e mais informações através dos números 91 772 5535 e 96 747 5938), a “ementa” de mais um passeio da popular tasca – que entre Outubro e Maio não falta aos acontecimentos motorizados… - oferece como novidade um tradicional almoço de “sopas”, com o cozido, a alcatra e o arroz doce a acompanharem a divina iguaria das nossas gentes, e desta vez com a caravana a seguir um “road book” que terá como partida (pelas 9 horas) e chegada o local do repasto, como sempre a praça de toiros da Terra Chã. Por aquelas bandas nem só de lama, pedras e guinchos se vai falar, afinal haverá música, com cantoria e a animação a cargo de Alberto Correia, e ainda uma surpresa, certamente a levar os homens dos jipes, motos e quads para as imediações do redondel. Enquanto pelo interior da Terceira já se traça a nova época competitiva – a abrir entre 11 e 13 de Fevereiro com a “Rota dos Ventos” -, nada como desanuviar num domingo de Inverno, junto dos amigos, dos petiscos…e também com um qualquer 4x4 a acompanhar!

publicado por MSA às 17:24
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 11 de Janeiro de 2011

From: Françoise Hardy - To: Annie Lennox...

publicado por MSA às 11:04
link do post | comentar | favorito

Higrómetro (3).

Ontem entrei na Terceira em claro choque com a humidade que recebeu mais um voo da TAP. Que bafo a contrastar com os dias frios e secos da última semana de Invicta. E que temperatura estranha, bem mais incomodativa que a do alto da Serra da Estrela aí há cerca de quinze dias. Felizmente, e como habitualmente acontece, uma manhã começada cedo e com bons ares, aliada a uma noite bem dormida depois da tormenta, saldou as coisas. E já cumprimentei a ilha em 2011...

publicado por MSA às 10:40
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Irritação.

. Luís Miguel Rego fez hist...

. Urban Art.

. Atlântida Taurina (Festas...

. Feira Taurina Graciosa 20...

. Ralis rumam à Ilha do Sol...

. Homenagem.

. Délio Teodoro e Dânia Fur...

. Wolfmother - Dimension

. A emoção paternal de "Rub...

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

.quem cá passa

Contador de visitas

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds