Miguel Sousa Azevedo

Create Your Badge
Sábado, 30 de Junho de 2007

Feira de São João'2007-3ª Corrida.

A beleza do Toureio a pé marca presença esta tarde...

publicado por MSA às 00:55
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 29 de Junho de 2007

Como se (ou eu) esperava...

Publicado no "D.I.":

 

Quem não deve não teme
por: Maria Mancebo e Valentim Araújo

 

"Depois de um cortejo ter corrido tão bem, da rainha das Sanjoaninas se ter portado à altura do cargo que ocupa, do povo ter demonstrado o seu agrado, e dado estarmos a viver um ambiente de festa, não havia necessidade da jornalista Sandra Bessa vir, publicamente, na edição deste jornal de 27 de Junho p.p., atacar e hostilizar uma jovem menor. Os pais é que são os responsáveis pelos actos da sua filha. Tal acto, demonstra, em nosso entender, pouco profissionalismo e falta de ética. Um bom profissional antes de publicar um artigo recolhe informações de ambas as partes e não toma partido por nenhuma.
Como em todas as festas, há sempre confusão, intrigas e mal-entendidos. Não é nossa intenção o desenvolvimento deste tema na comunicação social. Apenas acrescentamos que quem não deve não teme.

Os pais da rainha das Sanjoaninas 2007"
Comentário do autor deste blogue: Terá sido este o texto original? Ou alguém o alterou? Gosto, sobretudo, do pomposo "título" de "Pais da Rainha"...
publicado por MSA às 04:23
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Carla e Marta "prontinhas" para o SATA!

a dupla feminina, aqui antes do Rali Ilha Azul deste ano...

 

O SATA Rali Açores deste ano será a mais dura aventura da ainda curta carreira automobilística de Carla Rosado e Marta Areia. Decididas em 2007 em apostar na conquista do título feminino açoriano, as simpáticas concorrentes de Angra do Heroísmo encaram o desafio micaelense com naturalidade. “Será uma prova muito difícil, mas para a qual vamos tentar imprimir o ritmo adequado, de forma a atingir Ponta Delgada ao final da tarde de Sábado”, referiu Carla Rosado.

Novamente ao volante do Citroen Saxo Cup pertença do piloto Carlos Costa, Carla e Marta vão cumprir a terceira prova do ano, depois dos triunfos entre as equipas femininas na Terceira (Rali Sical) e no Faial (Rali Ilha Azul). “Para já o objectivo do título tem de ser construído passo a passo. Queremos ser campeãs no final da época, não hoje nem amanhã”, acrescenta a piloto. Carla Rosado disse ainda que “a experiência na terra está longe do andamento perfeito, pelo que este rali será uma lição muito importante, o que ainda nos motiva mais para rodar o máximo possível de modo a aperfeiçoar-nos neste piso. Gostamos é de correr, pelo que quanto mais melhor”, concluiu a piloto.

Para já, e na tarde desta quinta-feira, a equipa conseguiu a 23ª e última marca de um pouco participado Shakedown, onde apenas esteve para ganhar algum ritmo, e onde as equipas presentes eram, notoriamente de “outro” campeonato. Já depois de tomarem parte na apresentação pública de todos os concorrentes, o ânimo continua em alta para os lados do Citroen nº39…onde imperam os sorrisos!

 

publicado por MSA às 04:08
link do post | comentar | favorito

SATA Rali Açores:Todos contra Bruno?

Bruno Magalhães (Peugeot 207 S2000) parte como favorito...

 

Sai hoje para a estrada a prova rainha do automobilismo açoriano. Herdeiro directo da Volta à Ilha a São Miguel e do saudoso Rally Internacional de São Miguel, o “SATA Rali Açores” é um apreciável cartão de visita do arquipélago e a sua manifestação desportiva mais importante. A edição deste ano não conta com vedetas internacionais mas, tanto a estrutura da prova como a homogénea lista de participantes, fazem antever um rali bem disputado, embora claramente de abrangência nacional. Favorito inegável, e líder destacado do Nacional de Ralis, Bruno Magalhães (Peugeot) será o alvo a “abater”, num grupo formado ainda por José Pedro Fontes (Fiat) e pelo bi-campeão açoriano Fernando Peres (Mitsubishi). Tentando quebrar o enguiço da marca francesa, que nunca venceu entre nós, o piloto lisboeta já disse que “não posso negar que somos candidatos à vitória e também que estamos numa posição confortável em relação aos habituais opositores. Acho que este é um rali fantástico, quer pelo piso, quer pela fisionomia das provas de classificação, sempre duras e a obrigar a um total empenho dos pilotos.”. Fontes, por seu turno, refere ser este “um rali de que gosto muito e onde já consegui bons resultados. É uma prova dura, muito longa, onde se revela importante não só andar depressa mas saber gerir muito bem os esforços, não correndo riscos desnecessários que possam comprometer o resultado final. Além das dificuldades impostas pela extensão e dureza da prova, no SATA temos também de contar com um acréscimo de concorrência que advém dos pilotos locais, profundos conhecedores do evento e que dispõem também de um muito competitivo parque automóvel”. Expectante, Fernando Peres não esconde que “tenho como objectivo andar o mais à frente possível, e a nossa vontade é obviamente ganhar". Peres é o piloto com mais vitórias nesta prova, nada menos do que seis e, em termos de táctica acrescenta que "existem muitos factores nesta prova que podem condicionar um bom resultado, mas se ao fim de alguns troços estivermos a perder muito tempo, então mudaremos a nossa postura. No fundo teremos que pensar também no Campeonato de Ralis dos Açores".

Mais do que antever as lutas cimeiras da tabela do “SATA” (cujos elementos principais estão em www.gdc.com.pt, para além de um Guia completíssimo da prova em www.zonarallyes.com ), convém salientar o mediatismo do rali, assim como a valia de ainda pôr de pé uma prova em pisos de terra, na busca constante de contrariar o desenfreado asfaltamento que atingiu São Miguel (e até algumas outras ilhas…). Face a isto, e perdidas as características que faziam desta prova um rali ímpar, cabe ao Grupo Desportivo Comercial defender-se da condição arquipelágica e das contrariedades financeiras para manter um alto nível, e aí os concorrentes não têm falhado. Embora sem a presença de quatro dos cinco primeiros classificados do ano passado (Armindo Araújo, Miguel Campos, Gustavo Louro e Luís Pimentel- que fará as vezes de carro “0”…) estão reunidas as condições para uma animada jornada de um desporto que movimenta fãs a rodo…e é vê-los na beira da estrada.

Perspectivas lineares, para além do trio que deverá lutar contra Bruno Magalhães, e aqui já incluindo Horácio Franco (ver caixa), convém destacar que Luís Rego ainda lidera o campeonato açoriano (ex-aqueo com Peres), Ricardo Moura tem aqui um palco privilegiado, Vítor Pascoal parece em grande forma, assim como “Mex” Santos, Bernardo Sousa ou mesmo Pedro Meireles, que a disputa “Diesel” entre Pedro Leal/Barros Leite deve ser fantástica (com favoritismo para o portuense do Stilo), e que haverá alguns locais (Carlos Costa, Fernando Casanova e até os outros homens da F3 como Sérgio Silva e Pedro Vale) de quem tudo se pode esperar, mesmo face à imposição de pontuar (e muito) para o campeonato dos Açores que, insisto eu, continua a ser apelidado erradamente como “Regional” na maioria da Comunicação Social…

Serão 16 especiais, com a sempre terna presença de muitos terceirenses (dentro dos carros de rali eles vão ser catorze…)  que aqui tentaremos resumir na Segunda-feira. “a UNIÃO” vai ao “SATA”…e a coisa promete!

publicado por MSA às 04:07
link do post | comentar | favorito

Feira de São João'2007-2ª Corrida.

Juventude e arte, hoje na Praça de Toiros Ilha Terceira...

publicado por MSA às 00:54
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 28 de Junho de 2007

Reportagem "a UNIÃO".

Corrida de Carros de Ladeira "Sanjoaninas'2007":

João Silva...e muita gente grande!

(Fotos-João Costa/Fotaçor)

João Silva, claro vencedor pela Canada Nova abaixo...

 

E a cidade estava ainda a espreguiçar-se da longa e cansativa Noite de São João. Para os lados da Canada Nova não roncavam os motores, mas oleavam-se rolamentos e fixavam-se as cordas de direcção ou os apetrechos de travagem. A corrida de Carros de Ladeira das “Sanjoaninas” estava prestes a começar e o público já se aglomerava junto do Centro Cultural e ao Alto das Covas. A ganhar raízes como mais um desporto (agora) radical, os pequenos bólides de rolamentos proporcionam imagens espectaculares e não menos risadas entre público e pilotos com os azares ou despistes alheios. A corrida de Domingo não fugiu à regra e foram muitos os que não se “desviaram” a tempo dos passeios, fardos de palha (que deviam ter sido mais alguns…), ou mesmo das rodas do parceiro ali à mão de semear…

os temíveis foguetes do Augusto "Bola"...

E como nestas coisas, invariavelmente, a graça das situações e o convívio superam a importância da classificação, nem haverá aqui lugar a quadros com as diversas mangas, antes as bonitas imagens do João Costa que bem retratam o ambiente e a velocidade com que este se apresentou. Mesmo assim convém referir que, nas três classes em corrida (até aos 12 anos, dos 12 aos 18 e Adultos) foram cerca de 40 concorrentes. Entre os mais novos, que desciam desde o início do bairro de Santa Luzia, o domínio dividiu-se entre Luís Lourenço (nº422) e Eduardo Martins (nº429), que venceram cada um uma corrida, na classe acima Pedro Livramento (nº439) fez jus ao palmarés familiar, e entre os de mais idade (e alguns tinham mesmo já uns bons aninhos…) acabou por ser um jovem piloto, João Silva (nº441), a sagrar-se o grande vencedor da prova de maior visibilidade, e que lançava os pilotos nos íngremes 500 (e tal…) metros desde a “Sotermáquinas” ao Alto das Covas. O condutos do Team Optivisão/Mini Mercado Larnuno bateu com algum avanço o carro (e os foguetes!...) de António Augusto “El Bola” (nº 403), tendo o seu tio Manuel Silva (nº 404) alcançado uma boa terceira posição.

Manuel Nunes Silva...em grande estilo!

Para o futuro fica a promessa de mais provas, ainda mais concorrentes, um novo sistema de mangas e classificações para os mais novos e (quem sabe?) até um novo percurso…

 

PS- Para quem não chegou a tempo de ver a corrida, ainda a pode recordar em http://www.tv.viaoceanica.com/videos/ver.php?id=201 .

 

publicado por MSA às 05:22
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 27 de Junho de 2007

SATA Rali Açores'2007: O Guia.

excelente o Guia do SATA do "Zona Rallyes" e do "Ralis Online"...

 

Amanhã por esta hora já São Miguel vai estar debaixo do ruído dos motores e da azáfama de mais um "SATA Rali Açores". Como sempre muitos serão os forasteiros a rumar à ilha do Arcanjo para ver aquela que é (ainda) a maior manifestação desportiva da região. Afinal nos ralis, e talvez bem mais do que noutras actividades, a aficion é forte e decidida.

Uma prova cabal disso é o número de sites e publicações online que versam o desporto automóvel em geral, e os ralis em particular.

Neste caso do "SATA" há um útil e bem elaborado guia da prova aí a entrar pelos cabos de rede dentro. Um trabalho bem elaborado, completo e fácil de consultar, e que pode ser uma preciosa ajuda para quem vai seguir a prova. Obra dos sites "Zona Rallyes" e "Ralis Online", está à distância de alguns "cliques" e impressões. E bem vale a pena encadernar...

publicado por MSA às 12:05
link do post | comentar | favorito

Novo Recorde nos "Degraus d'Angra"!

César Romeiro (2º), Jorge Nunes (1º) e Miguel Medeiros (3º)...

Jorge Nunes foi o grande vencedor da 2ª edição dos "Degraus d'Angra", prova integrada no programa desportivo das festas "Sanjoaninas'2007", e que levou esta segunda-feira 25 corredores/passeantes a subir a Passagem Silva Sarmento, que liga o Jardim Público ao monumento da Memória.

 O atleta da Casa do B... da Ilha Terceira bateu mesmo, por dois segundos, o recorde da prova, ao fazer 1 minuto e nove segundos, e batendo pela margem mínima César Romeiro (1m10), do Núcleo Sportinguista da Ilha Terceira, que fora o vencedor da edição de estreia. A terceira posição (1m11) foi para o triatleta do Terceira Automóvel Clube Miguel Medeiros, formando-se o pódio com três marcas de grande valia.

Mário Corvelo (1m21) foi o quarto da classificação, batendo um grupo de triatletas, composto por Pedro Bartolomeu (1m23), que no dia anterior teve uma prova de Ciclismo em São Miguel, José Freitas (1m24) e Rodrigo Ferreira (1m25), que empatou ainda com um homem da Escalada, André Correia (1m25). Miguel Mendonça foi quem se seguiu na tabela (1m26), tendo Fábio Paiva (1m31) fechado o lote dos dez primeiros.

O veterano Rui Borba (1m41) foi o 11º, em contraste directo com alguns atletas de palmo-e-meio que não deixaram de marcar presença, casos de Miguel Romão (11 anos), Vasco e Henrique Pereira (8 e 11 anos), ou os ainda mais jovens João Bartolomeu (um repetente na subida com apenas 5 anos) e Miguel Antunes (expedito a trepar com os seus 6 anos).

Jorge Azevedo (20º), com 57 anos, foi o concorrente com mais idade, enquanto a ausência de senhoras à partida se resolveu de imediato, tendo Andreia Fagundes, Rita Ornelas (a acompanhar os seus jovens descendentes) e Ana Ramalho formado o pódio depois de subidas mais calmas e pausadas. Pais e filhos também se encontraram na lista de participantes, com os apelidos Mendonça, Antunes, Santos e Pereira a fazerem parte dos resultados mais em "família"…

A prova decorreu no melhor espírito de convívio, embora o esforço dispendido fosse provado pelas palavras do vencedor. Jorge Nunes referiu ter " dado tudo por tudo desde o início. Parti em força e, apesar de um esforço muito intenso, o truque é mesmo dar o máximo…"explodir" desde o princípio", garantiu o atleta que agora detém o recorde do percurso. Quanto às Corridas de Degraus não se ficam por aqui em 2007. Agosto e Dezembro têm já duas provas confirmadas. A primeira na Praia da Vitória (dia 5 de Agosto), e integrada nas festas concelhias, a segunda no Algar do Carvão (dia 2 de Dezembro), a comemorar mais um aniversário dos "Montanheiros". Vai ser um tal subir!...

 

os 25 atletas que cumpriram a subida deste ano...

 

Classificação Geral

         Jorge Nunes (CBIT)                 1m09

         César Romeiro (NSIT)             1m10

         Miguel Medeiros (TAC)           1m11

        Mário Corvelo (Ind)                 1m21

         Pedro Bartolomeu (CAT)         1m23

         José Freitas (TAC)                   1m24

         Rodrigo Ferreira (TAC)            1m25

         André Correia (Ind)                  1m25

         Miguel Mendonça (Ind)            1m26

10º       Fábio Paiva (Ind)                     1m31

11º       Rui Borba (Ind)                       1m41

12º       Miguel Maduro (Ind)               1m42

13º       Miguel Romão (Ind)                1m51

14º       Paulo Mendonça (Ind)             1m52

15º       Ivo Santos (CBIT)                   2m03

16º       Vasco Pereira (Ind)                 2m14

17º       Henrique Pereira (Ind)             2m22

18º       Miguel Antunes (Ind)               2m29

19º       Aguinaldo Antunes (Ind)          2m43

20º       Jorge Azevedo (Ind)                3m01

21º       João Bartolomeu (Ind)             3m03

22º       Andreia Fagundes (Ind)           3m50

23º       Rita Ornelas (Ind)                    3m51

24º       David Santos (Ind)                  5m55

25º       Ana Ramalho (Ind)                  6m01
publicado por MSA às 00:49
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 26 de Junho de 2007

Sanjoaninas "live"...

mais um bom trabalho da "Via Oceânica"...

 

Mas é que tem sido assim todos os dias. Um grande trabalho!

publicado por MSA às 17:51
link do post | comentar | favorito

O vestido da "pequena"...

A rainha das festas no Cortejo de sexta-feira...

Foto: "D.I."

 

A astúcia tem muitos vestidos; a verdade gosta de andar nua”, esta citação de Thomas Fuller serve para descrever o que possa ter corrido menos bem. As birras ficam sempre em segundo plano, a parte não se confunde com o todo. O público, o grande júri, parece ter gostado do que viu.

in "Jornal a UNIÃO".

Esta citação a uma, já de si, citação tem fundamento na "história" que correu o fim-de-semana de São João em Angra e que, já na Sexta-feira (dia da abertura das Festas Sanjoaninas...), tinha dado que falar: A rainha não usou o vestido que lhe era destinado, optando por usar um outro que, por intermédio e vontade familiar, fora confeccionando no Continente. A exigência, birra ou falta de respeito pelo trabalho dos outros (chamem-lhe o que quiserem...) pode traduzir-se como um pormenor comezinho onde apenas a fraqueza de espírito singre. Mas o facto vem provar que há, de facto, quem não esteja à altura de qualquer destaque ou posição de relevo. Ou simplesmente quem não esteja à altura...

Recordo aqui um pequeno episódio com mais ou menos os mesmos intervenientes desta história, como disse, comezinha. No início da formação destas "Sanjoaninas'2007" fiz parte da sua Comissão organizadora, cumprindo um curto papel de Relações públicas dos festejos, actividade que interrompi por razões pessoais e profissionais. A páginas tantas dessa preparação inicial, decidi alinhavar algumas palavras para a dita rainha, uma miúda simpática e algo insegura nos seus apenas quinze anos, para que a apresentação do cartaz das festas e do séquito real não tivesse (especialmente para os jovens integrantes deste último...) o "peso" e a cerimónia que por vezes ostenta. O texto era curto e simples, li-o e reli-o na companhia da "pequena" e enviei-o por email...

Acham que foi esse o texto que leu? Não. Pois bem, senti-me como o estilista, quem costurou, pregou, martelou e roubou horas à família para que a roupa e os carros brilhassem. Ou seja desrespeitado...

E boas Festas que, por sinal (para mim...), estão a superar as melhores expectativas.

 

PS-O vestido que deveria ter sido usado está em exposição numa loja da nossa cidade...

publicado por MSA às 17:20
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
Segunda-feira, 25 de Junho de 2007

Visitas.

100.000 visitas!...

 

Obrigado a todos! Vamos continuar...

publicado por MSA às 16:10
link do post | comentar | favorito

Imagem.

o nosso primo "Duda", ontem na Corrida de carrinhos de Ladeira...

Foto: Timothy Lima.

publicado por MSA às 15:17
link do post | comentar | favorito

"Degraus d'Angra"-2ª edição - esta tarde.

O cartaz da prova, criação do Paulo Mendonça.

É já esta tarde que se corre a segunda edição dos “Degraus d’Angra”, prova integrada no programa desportivo das festas “Sanjoaninas’2007”.

Subindo a Passagem Silva Sarmento, que liga a parte superior do Jardim Público da cidade património até à Memória, os atletas vão de novo enfrentar a dureza dos mais de 250 degraus entremeados por pequenos segmentos de calçada ou terra batida.

 

Segundo o mentor do evento, Miguel de Sousa Azevedo, os “Degraus d’Angra deste ano surgem na sequência da prova de 2006, à qual se juntaram depois mais duas manifestações a repetir: Os Degraus da Praia, realizados durante as Festas daquela cidade em Agosto, e os Degraus do Algar do Carvão, na comemoração do aniversário dos Montanheiros a 1 de Dezembro. Felizmente a aderência das pessoas tem sido boa, pelo que acredito estas provas se venham a manter”.

 

Em relação à prova angrense referiu que “muita gente nem conhece bem a subida até à Memória, mas é voz comum que será um dos pontos mais belos da nossa cidade. Menos ainda se lembrarão que o atleta César Romeiro cumpriu, o ano passado, aquele percurso no tempo incrível de um minuto e onze segundos. O traçado é exigente, mas também queremos que as pessoas participem em ritmo de passeio, ou seja todos são bem vindos e haverá prémios para os três primeiros masculinos e femininos, para além das distinções aos extremos de idades presentes”.

 

“As inscrições para os Degraus estão a decorrer no Secretariado das festas, que novamente acolheram esta minha ideia, mas serão aceites os atletas de última hora, sendo que a concentração se começará a fazer a partir das 19 horas – no tabuleiro superior do jardim – para que arranquem os primeiros por volta das 19h30”, acrescentou Miguel Azevedo.

 

De referir ainda que a prova tem também “a preciosa colaboração dos Montanheiros, para além da criatividade do Paulo Mendonça que foi autor do grafismo do cartaz e número de prova, que passará a ser a imagem do evento. Esta prova é de todo original e são poucas as terras que realizam corridas de degraus por esse mundo fora mas, na Terceira, já temos três, e este ano ainda poderá surgir outra durante o Verão”, deixou no ar o organizador dos “Degraus d’Angra”.

Press Release: porto das pipas PRESS

 

publicado por MSA às 06:47
link do post | comentar | favorito
Domingo, 24 de Junho de 2007

Feira de São João'2007-1ª Corrida.

Começa hoje a Feira de São João'2007...

publicado por MSA às 00:53
link do post | comentar | favorito
Sábado, 23 de Junho de 2007

Um Grande-Prémio como na nossa infância...

a animação dos carrinhos de Ladeira regressa amanhã de manhã!

Foto: RL Photo.

 

Amanhã o programa desportivo das “Sanjoaninas’2007” põe na estrada uma corrida sempre apetecida por miúdos e graúdos. A partir das onze da manhã, e enquanto a cidade “acorda” da longa noite de São João e se prepara a preceito a Espera de Gado, será tempo de mais de duas dezenas de carrinhos de rolamentos descerem a Canada Nova de Santa Luzia em direcção ao Alto das Covas. Em resumo, será a hora de “voarem” baixinho os carrinhos de Ladeira!

Desporto radical ou não, o facto é que os rudimentares (alguns…) bólides têm feito a delícia de quem se abeira da estrada para os ver passar e, sobretudo, para os corajosos pilotos que se aventuram ladeira abaixo sobre as tábuas cortadas à medida. A coisa até nem tem muita ciência e muitos de nós (que não eu…) devem recordar a feitura de um carro de Ladeira, mais ou menos da mesma forma que no tempo dos nossos pais ou mesmo dos nossos avós. Partindo de uma tábua (ou mais que uma) a formar uma plataforma onde se prendem os dois eixos, manda a “regra” que com a frente em cunha (talvez já aqui as questões aerodinâmicas em acção…), recebe então cada um desses eixos um rolamento bem preso na extremidade. Na sequência rudimentar o eixo da frente é fixo com um parafuso a meio que permita dar direcção à viatura. Direcção essa invariavelmente comandada por uma corda resistente. Depois é dar asas à imaginação, quer seja em cadeiras mais ou menos confortáveis, inovadores sistemas de travagem, retrovisores, buzinas ou outros adereços que tais…! E, importante pormenor, tudo bem leve e resistente, não vá o diabo tecê-las…

O programa deste “Grande-Prémio” prevê a divisão dos concorrentes por idades. É que não se pense que estas coisas se ficam por meia dúzia de miúdos, nada disso! Há uma adesão crescente a estas provas, sendo que as grelhas de partida se têm revelado muito ecléticas, não só ao nível da preparação e pretensões, como também nas diferenças etárias desses concorrentes. E este ano a tendência não se vai inverter, ainda mais com a certeza de que o Alto das Covas já vai apresentar uma crescente moldura humana, talvez surpreendida por, antes dos toiros à solta, ver uns “maduros” e outros mais novos rua abaixo de fato, capacete e joelheiras! Em pista aguarda-se, para além da expectativa do Tomás, do António ou do Pedro – isto entre os ainda petizes…- o que farão homens vindos do Karting, casos de José Maria Nunes ou Duarte Matos, que tipo de foguetes poderá apresentar o Augusto “Bola”, ou mesmo se a bacquet ex-Gustavo Louro se vai aguentar no carro de um homem do Dakar, no caso Nuno Rosado. Os ingredientes são fáceis de juntar e a habilidade, garanto-vos, é a chave do sucesso para os lados da Canada Nova.

O percurso não é do tipo técnico, embora se possa considerar que a curva do Centro Cultural seja em tudo idêntica a Saint-Dévote, no Mónaco. Ou seja, está “prontinha” à espera de um deslize dos pilotos que lá chegarem rápido demais. Mas isso é só na teoria, porque a prática…bem, levantem-se cedo (ou deitem-se mais tarde…) amanhã, e logo se verá!

 

publicado por MSA às 12:51
link do post | comentar | favorito

Festa na Ilha-Revista.

a capa da edição deste ano da revista "da Tertúlia"...

 

Já era para ter falado há umas semanas nesta sempre agradável publicação. Nas bancas desde Maio, a "Festa na Ilha" de 2007 dá especial realce à Feira de São João, apresentando ainda nas suas páginas visões diversas do mundo apaixonante dos toiros por estas paragens. Num ano em que a aficion terceirense viu partir dois filhos de valor, fica aqui a referência a estas páginas de bom toque e leitura.

Como de costume colaborei mais uma vez, desta feita reeditando um texto que aqui já leram. É sempre um prazer fazer parte desta galeria...

publicado por MSA às 10:25
link do post | comentar | favorito

Uma letra de Marcha para o São João.

(não resisti a postar a bonita letra da Marcha dos Veteranos para estas "Sanjoaninas". Parabéns, Álamo...)

 

Marcha das Filarmónicas (Álamo Oliveira) 

1.
A nossa banda toca sempre muito bem!
É melhor do que ninguém
Nesta marcha a São João.
É muito nossa e bonita! Podem crer!
Há tarolas a bater
Como bate o coração.
Muito afinados, é ouvir os clarinetes,
Que parecem diabretes,
A brincar com o solfejo;
E todas fêmeas, já cá chegam as trompetes,
Todas frescas, todas queques,
Suspirando por um beijo.

2.
A nossa banda, alinhada e aprumada,
Toca até de madrugada
Sem dar fífia nem cansaço.
É um encanto ter de ouvir os bombardinos
A brincar, como meninos,
Com colcheias no regaço.
E como é forte esse sopro dos trombones
Refrescando saxofones
Com as notas d'alegria!
Depois, é ver como chegam os fagotes
A sorrir, nem rapazotes,
Para o peito d'harmonia.

3.
A banda anda a ver se a sua flauta
Se debruça sobre a pauta
E namora o oboé.
Vão ser padrinhos uma tuba e um flautim.
Vão vestidos de marfim,
Com amor e muita fé.
E São João vai de trompas com certeza,
Pois não gosta que a tristeza
Venha a marcha estragar.
A banda toda tem estilo, muita pinta!,
Basta ver como a requinta
É requinta no tocar!

Refrão:

A nossa banda já
Sabe tocar de cor:
Dó, ré, mi, fá, sol, lá!
Em si, é dó maior.
E cá vai São João,
Na marcha, a cantar!
Não sabe do balão,
Mas sabe o que é amar!

publicado por MSA às 10:16
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 22 de Junho de 2007

"GOMA", hoje à noite no "Bailhão"...

Os "GOMA", esta noite em estreia ao ar livre...(23h30).

Foto: MSA.

 

Vai ser a estreia ao vivo e fora de portas da nova banda angrense. Originais em português que já têm rodado nas rádios e uma atitude interessante de seguir são as características vincadas à partida. O resto é deixá-los tocar que vão gostar.

"GOMA" - Hoje, a partir das 23h30 no Palco "Sagres" do "Bailhão"...

Para aprender a trautear aqui...

publicado por MSA às 17:00
link do post | comentar | favorito

Everybody Hurts (REM Original)-The Corrs.

 

"Everybody Hurts"

When the day is long and the night, the night is yours alone,
When you're sure you've had enough of this life, well hang on.
Don't let yourself go, everybody cries and everybody hurts sometimes.

Sometimes everything is wrong. Now it's time to sing along.
When your day is night alone, (hold on, hold on)
If you feel like letting go, (hold on)
When you think you've had too much of this life, well hang on.

Everybody hurts. Take comfort in your friends.
Everybody hurts. Don't throw your hand. Oh, no. Don't throw your hand.
If you feel like you're alone, no, no, no, you are not alone

If you're on your own in this life, the days and nights are long,
When you think you've had too much of this life to hang on.

Well, everybody hurts sometimes,
Everybody cries. And everybody hurts sometimes.
And everybody hurts sometimes. So, hold on, hold on.
Hold on, hold on. Hold on, hold on. Hold on, hold on. (repeat & fade)
(Everybody hurts. You are not alone.)

publicado por MSA às 16:42
link do post | comentar | favorito

Cartaz...

...das festas. Naturalmente.
publicado por MSA às 04:49
link do post | comentar | favorito

Nas rotas do São João... (crónica)

A mistura de cheiros, sabores e cores começa novamente em Angra...

 

Estão quase acesas as luzes e quase quentes os corações. Como sempre, nesta altura acelerada do ano, a nossa cidade de Angra vai fluindo rumo à festa. Como sempre está engalanada e enfeitada. Como sempre anseia pela alegria e, amiúde, o sol tenta furar as nuvens para dar outra cor aos eventos que se aguardam. Os marchantes acabam de decorar as letras e acertam as últimas bainhas e folhos, os figurantes dos cortejos tentam reprimir os nervos de enfrentar a multidão, ensaiam-se os últimos passos da actuação e dão-se os primeiros no regaço deste São João de graças, que gosta de se divertir a preceito. Não é só em Angra que ele assim se porta, mas é por cá que aprendemos a viver a sua festa, e a agradecer ao rendilhado ancestral das nossas ruas o facto de serem um palco por excelência.

São várias as vertentes em que toca a festa e parece impossível passar-se alheio a ela. A verdade é que, por estes dias, as energias parecem juntar-se num fim comum. O dia tem um epílogo destinado, a escolha do que se quer ver e sentir vai maturando pelas horas até ao entardecer. Aí, e como sempre, as luzes que estão quase a acender-se desenham nos espíritos a alma desta gente. A alma que é nossa e que queremos repartir, numa contribuição desinteressada ao bem-estar. É assim que a acredito. É assim que espero continue…

E muito haveria para escrever, dizer e rir quando de festas se trata ou sobre elas se alinham ideias. As escolhas dos temas, as cores das iluminações, os carros dos cortejos, a coreografia das marchas ou os vestidos das nossas jovens belezas. Os petiscos aguardados, as noites mal dormidas e bem regadas, as histórias dos anos passados e a acepção de que, a cada dez dias de festejos, já temos mais um ano em “cima”… Tudo isto, e em abundância, revela o espírito desta semana e “tal” em que num balão de São João sobem as preocupações para bem longe das ruas. Pelo menos até ao final dos festejos, altura em que se começam a pensar nas próximas…do ano que vem e da semana que entra a seguir. É um tal não mais parar!

Os desejos que se expressam para esta altura do ano têm um tanto a ver com os primeiros banhos de mar e com o estalar do sol num tempo ainda morno. Primeiro estranha-se, depois entranha-se. Assim se vence o medo ao frio da água, assim se vai ganhando a tez amendoada que vai até às vindimas, assim se passa de um abraço de saudade a uma confraternização noite dentro, tarde fora, ou durante alguns dias. É com esse espírito que encaro as nossas festas. Foi dentro dessa visão que escrevi algumas linhas há uns meses. E que até chegaram ao programa descritivo das “Sanjoaninas’2007”. Ficam aqui a seguir. E boas festas, Angra.

 

"Fará sentido, meia dúzia de anos após o virar do século, falar ainda de globalização como uma novidade ou um progresso? Não em Angra do Heroísmo, Ilha Terceira, um ponto cruzado de influências e sentidos no meio do Atlântico. Uma cidade, quinhentista na traça e na origem, e rumada aos ventos por diversas aragens de raças e credos. Angra, cidade portuária do mundo, entreposto de rotas e costumes, porta de entrada das cores da evolução, cujo testemunho físico se pode ainda ver nas fachadas e recortes da sua arquitectura.

Cidade sobre a qual as páginas da História eternizam a importância de, num dia e num tempo, ter sido ponto de viragem e passagem para uma fronteira sem fim. Assim, e fazendo uso e abuso do espírito festivo das suas gentes de séculos, se refez o mote para mais dias de celebração. E os de 2007 terão uma Angra das rotas do Mundo. Cidade sem fim e sem fronteiras."

 

publicado por MSA às 04:39
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 21 de Junho de 2007

Verão.

Começou hoje. E foi uma maravilha.
publicado por MSA às 21:38
link do post | comentar | favorito

Livro.

na próxima terça-feira, mais um livro do escritor/jornalista terceirense...

 

Mais um do Joel Neto. A obra será apresentada na próxima terça-feira (26), no Restaurante do Montado (Lisboa), por Pedro Santana Lopes. A edição está a cargo da "Esfera dos Livros".

Neste novo livro a teoria de Joel Neto é clara: "se é certo que a maioria grita pelas cores encarnadas nos primeiros anos de vida, com o passar da idade, a evolução para os tons verdes é natural e progressiva. Em Todos Nascemos B... (Mas Depois Alguns Crescem), reúne-se um conjunto de crónicas onde o autor se debruça, com caneta afiada, sobre o futebol. É preciso dizer que Joel Neto não é um cronista desportivo na verdadeira definição do termo. Então, mas afinal, porque escreve sobre futebol? Porque futebol é os protagonistas, os mister, os lances falhados, as substituições mal planeadas, as chuteiras, os estádios semicheios ou semivazios, os clubes e os apitos, as disputas e questiúnculas. Mas, Joel Neto vai para além deste mundo futebolístico, porque este jogo de bola é também e principalmente amor e ódio, drama e comédia. Que merece lágrimas e gargalhadas. Palmas e assobios".

Diga-se em prol da verdade que o autor é um adepto convicto do Sporting.

PS -A palavra B..., integrante do título da obra, teve de ser suprimida por razões editoriais deste blogue. Essa e todas as outras com a mesma "raiz"...                                                       

publicado por MSA às 11:31
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quarta-feira, 20 de Junho de 2007

Ash-Girl from Mars.

 

Do you remember the time I knew a Girl From Mars?
I don't know if you knew that
Oh we'd stay up late playing cards
Henri Winterman Cigars
Though she never told me her name
I still love you, Girl From Mars

Sitting in our dreamy days by the water's edge
On a cool summer's night
Fireflies and the stars in the sky
Gentle glowing light
From your cigarette
The breeze blowing softly on my face
Reminds me of something else
Something that in my memory has been replaced
Suddenly all comes back
And as I look to the stars

I remember the time I knew a Girl From Mars
I don't know if you knew that
Oh we'd stay up late playing cards
Henri Winterman Cigars
Though she never told me her name
I still love you, Girl From Mars

Surging through the darkness over the moonlight strand
Electricity in the air
Twisting all through the night on the terrace
Now that summer's here
I know that you are almost in love with me
I can see it in your eyes
Strange light shimmering over the sea tonight
And it almost blows my mind
And as I look to the stars

I remember the time I knew a Girl From Mars
I don't know if you knew that
Oh we'd stay up late playing cards
Henri Winterman Cigars
Though she never told me her name
I still love you, Girl From Mars

Today I sleep in the chair by the window
It felt as if you'd returned
I thought that you were standing over me
When I woke there was no-one there
I still love you, Girl From...
MARS!

Do you remember the time I knew a Girl From Mars?
I don't know if you knew that
Oh we'd stay up late playing cards
Henri Winterman Cigars
Though she never told me her name

Do you remember the time I knew a Girl From Mars?
I don't know if you knew that
Oh we'd stay up late playing cards
Henri Winterman Cigars
And I still dream of you
I still love you, Girl From Mars
publicado por MSA às 17:16
link do post | comentar | favorito

"Forbidden Curves"...

Fotografias "proibidas" do meu amigo Jorge...

 

...assim se intitula a exposição de fotografia do Jorge Monjardino, a inaugurar hoje, às 18 horas, na Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo, ali ficando patente até 14 de Setembro deste ano.

A mostra do Jorge poderá ser visitada entre as nove e as 17 horas.
Meu amigo de infância, embora mais velho 12 anos, o Jorge Monjardino tem participado ao longo dos anos em várias exposições individuais e colectivas, de entre as quais se destaca a mostra de arte contemporânea dos Açores,
realizada em 1999 na Bermuda National Gallery, sendo também de realçar a sua actividade como produtor fotográfico.
A exposição agora é apresentada resulta de registos fotográficos efectuados no "Guggenheim Museum", em Nova Iorque, inspirados na plasticidade e variedade das suas formas geométricas e na visão que o ambiente envolvente suscitou no artista.
Jorge de Almeida de Bettencourt e Silveira Monjardino nasceu em Angra do Heroísmo (1963), é Engenheiro Zootécnico, pela Universidade dos Açores, e docente do ensino básico. Já correu as Maratonas de Londres, Roterdão e, claro, Nova Iorque!
publicado por MSA às 17:13
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 19 de Junho de 2007

"OT"ices...agora a Norte.

Ou pensavam que, lá por cima, não se ligava ao tema?...
publicado por MSA às 17:22
link do post | comentar | favorito

Eu sou...qualquer coisa.

Ai sou, sou!...

 

Este site é assim uma espécie de "multi-funções", embora limitado a determinadas áreas, onde podemos encontrar diversas ligações em consonância com a actividade escolhida. Eu vou mais por esta, mas há alternativas mais ou menos interessantes...

publicado por MSA às 12:47
link do post | comentar | favorito

Trintão que se preze...

Este Homer...serve para visualizar tanta coisa...D'oh!

 

Nome: Ricardo Cruz                                                             

Idade: 30 anos

Localidade: entre São Félix da Marinha e a "Inbicta"...

Clube: nem se pergunta...

Afinidades: Carros, ralis e a escrita                                 

Não, a "ficha" acima nada tem a ver com o inefável Homer Simpson. Apenas se insere na referência a mais um blogue de mais um amigo. Com o Ricardo a ligação nasceu da paixão pelos carros e pelos ralis (ele é o "boss" do "Alta Rotação", que aguarda novas cores e feitios), aquando da minha estada nesse Porto de que tenho saudades. Agora, maduro e com os trinta já contadinhos, o jovem Cruz "meteu-se" pela blogosfera dentro. Esperemos não caduque!

publicado por MSA às 12:27
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 18 de Junho de 2007

Quinta das Mercês entre as 25 melhores...

não é publicidade, é o reconhecimento de uma obra fantástica...

A Quinta das Mercês foi considerada pelo Jornal Expresso, no “Guia Boa Cama Boa Mesa 2007”, como uma das 25 melhores unidades de turismo a nível nacional, sendo a única dos Açores a configurar entre as melhores.

O guia, já no seu quinto ano de publicação, dá um relato actualizado e isento do que de melhor existe em Portugal em termos de alojamento e restauração.

Trata-se da primeira vez em que uma unidade da região é considerada entre as 25 melhores do país, desta feita a par de outras como o Hotel Quinta do Lago, o Ritz Four Seasons, o Pestana Palace, o Penha Longa Hotel & Golf Resort, o Reid´s Palace ou o Choupana Hills Resort.

É o reconhecimento do trabalho original e cuidado que vem sendo desenvolvido naquela excelente estrutura, onde a qualidade, o conforto e a exclusividade são palavras de ordem num exemplo a seguir nos Açores.

Pela minha modesta parte, Parabéns.

publicado por MSA às 21:34
link do post | comentar | favorito

Imagem.

Oxford Street...ou "que bem ia agora a Londres uns dias"...
publicado por MSA às 17:55
link do post | comentar | favorito

Pais e Filhos (Legião Urbana)-ao vivo.

 

Pais E Filhos

Legião Urbana

Composição: Dado Villa-Lobos / Renato Russo / Marcelo Bonfá

Estátuas e cofres
E paredes pintadas
Ninguém sabe o que aconteceu
Ela se jogou da janela do quinto andar
Nada é fácil de entender

Dorme agora huhuhuhu
É só o vento lá fora
Quero colo
Vou fugir de casa
Posso dormir aqui
Com vocês?
Estou com medo tive um pesadelo
Só vou voltar depois das três
Meu filho vai ter
Nome de santo
Quero o nome mais bonito

(Refrão)
É preciso amar as pessoas
Como se não houvesse amanhã
Por que se você parar, pra pensar.
Na verdade não há

Me diz por que o céu é azul
Explica a grande fúria do mundo
São meus filhos que tomam conta de mim

Eu moro com a minha mãe
Mas meu pai vem me visitar
Eu moro na rua não tenho ninguém
Eu moro em qualquer lugar
Já morei em tanta casa que nem me lembro mais
Eu moro com os meus pais huhuhuhu

(Refrão)
É preciso amar as pessoas
Como se não houvesse amanhã
Por que se você parar, pra pensar.
Na verdade não há

Sou uma gota d'água
Sou um grão de areia
Você me diz que seus pais não lhe entendem
Mas você não entende seus pais
Você culpa seus pais por tudo
E isso é absurdo
São crianças como você
O que você vai ser
Quando você crescer?

publicado por MSA às 17:42
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 17 de Junho de 2007

Imagem.

Pedro Lamy, ao volante do Peugeot 908 e rumo ao 2º lugar em Le Mans...

 

Foto: www.motorsport.com

Site da prova: www.lemans.org

publicado por MSA às 19:45
link do post | comentar | favorito
Sábado, 16 de Junho de 2007

136 x 48cm...

a apreciação depois da "tarefa" cumprida...

 

Foram 2000 as peças que, desta vez, a minha Anita encarreirou e dividiu por cores e feitios. Estas "empreitadas" não costumam demorar muito, embora desta feita tenha havido uma interrupção (assim para evitar as "derrapagens"...) com novos fôlegos. Afinal tratava-se da construção das Pirâmides...

Eu cá fico abismado. Para mim, puzzles nem dos de "3 aos 5 anos"...mas esta "pequena" encaixa aquilo tudo que é um instante! 

publicado por MSA às 23:28
link do post | comentar | favorito

toda a vez que eu chego em casa...

-mas...como é que eu saio daqui?

 

...a barata da vizinha está no meu blogue...!

publicado por MSA às 00:41
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 15 de Junho de 2007

Coleccionismo(s)...

O empresário madeirense Joe Berardo parece que anunciou uma OPA (Oferta Pública de Aquisição) "não-hostil", refira-se, sobre um dos clubes de futebol da capital.

E eu a pensar que o homem só gostava de arte contemporânea. Afinal parece que também aprecia glórias do passado...isto embora tenha mandado "reformar" Jardim Gonçalves...

publicado por MSA às 12:10
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

A História das nossas famílias na Terceira...

"Genealogias da Ilha Terceira", uma obra de décadas...

 

Foram 40 anos de trabalho nos mais importantes arquivos nacionais. Fruto disso Jorge Forjaz e António Mendes apresentam agora uma edição monumental da sua investigação sobre as "Genealogias da Ilha Terceira".
Começando pelos primeiros povoadores e tendo em atenção que o povoamento se foi fazendo num período de tempo alargado, os autores desenvolvem até à actualidade as genealogias de centenas de famílias que, a partir da Terceira se espalharam pelas várias ilhas dos Açores – especialmente São Miguel, Graciosa, Faial, São Jorge, e Flores – pela Madeira, pelo Continente, pela Europa, pelo Brasil e outros países das Américas.
Explorando as mais importantes fontes arquivísticas, a obra distribui-se por 9 volumes que incluem cerca de 400 capítulos, subdivididos em 1.500 sub-capítulos, e mais de 15.000 notas que permitem construir biografias e descrever o trajecto de inúmeras personagens que, ao longo de séculos, fizeram a História da Terceira e, também, de Portugal.
"Genealogias da Ilha Terceira" será, por tudo isto, o maior estudo de genealogia alguma vez publicado em Portugal.

O custo de subscrição da obra será de 300 euros, estando previstas várias modalidades de pagamento, incluindo a repartição em cinco prestações.
Pelas suas características especiais, a tiragem será praticamente limitada aos subscritores, o que a transformará em pouco tempo numa raridade bibliográfica.
Duas cerimónias de lançamento assinalarão a publicação da obra: a primeira nos Açores em Agosto – data em que a obra se encontrará disponível para todos os subscritores – e a segunda em Lisboa, em Outubro, em dias e locais a anunciar brevemente.

publicado por MSA às 09:38
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Cartaz.

"Fala Quem Sabe", amanhã a favor da Liga Portuguesa Contra o Cancro.
publicado por MSA às 00:01
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 14 de Junho de 2007

Comentário.

Baía

ALCIDES FREIRE  - Jornal "O JOGO"

Querem saber qual é a primeira consequência do anúncio oficial da fim da carreira do Vítor Baía? Não vale responder incluindo Quaresma na explicação. A resposta de 20 valores é: adivinham-se tempos complicados para os que têm menos jeito para a bola, mas são "ferrinhos" na futebolada semanal. Num género de regresso ao passado, aquele anterior a 1988, é quase certo que os menos dotados voltem a estar condenados e limitados ao papel de guarda-redes, pelo menos enquanto os mais dotados não estiverem realmente cansados de tentar imitar o Quaresma. Sem o Vítor Baía em campo deixa de fazer sentido ir para a baliza e gritar, bola encaixada ao corpo com um mão, enquanto se manda a equipar subir no sintético,"fiz uma defesa à Baía". Deixa de haver um modelo para imitar como aconteceu até ontem. Até porque o melhor é repetir o que o ídolo fez uma semana antes. Baía deixa o banco, mas fica a memória. Ou alguém acredita que depois de fintar metade dos adversários alguém comenta, com ar presunçoso, que fez um golo como o Messi? O mais certo é que lhe gritem "à Maradona, ó convencido", porque Diego era o maior de todos. Daqui em diante, Helton e quem lhe seguir, fará uma defesa como o Baía, da mesma forma que o Baía "fez lembrar o Mly neste voo" e "agarrou a bola como o Américo". Os craques perduram, mas para mal dos menos dotados, também a carreira do craques tem um final.
publicado por MSA às 16:53
link do post | comentar | favorito

Maia/Brenha-recordistas em casa...

A dupla Maia/Brenha, heróis nacionais do Vólei de Praia...

 

Miguel Maia e João Brenha assinalaram com uma derrota a sua 120ª presença no Circuito Mundial de Voleibol de Praia, ao perderem com a dupla japonesa Asahi/Shiratori no Open de Portugal, a decorrer em Espinho, por 2-0 (22-20 e 25-23).

A dupla portuguesa, que atingiu o recorde de presenças no Circuito Mundial, até hoje repartido com os suíços Laciga/Laciga, considerou "um marco histórico" o feito alcançado.
A derrota de Maia e Brenha foi o terceiro desaire luso no Open, depois das duplas José Pedrosa/Pedro Rosa e José Teixeira/Pedro Azenha não terem evitado o mesmo desfecho. O próximo jogo terá de ser de vitória, sob pena de eliminação na prova.

publicado por MSA às 15:20
link do post | comentar | favorito

Noite de maresia. (crónica)

um barco numa noite de maresia...sonhada.

 

E tudo porque a noite impedia ver mais longe. Perceber o porquê de, do lado de lá dos pingos grossos da chuva quase invisível, se guardavam surpresas e se escondiam cores que iriam nascer com o novo dia.

Decidiu agarrar-se, por umas horas, a todos os poemas que conhecia sobre a noite, lembrar-se de todas as canções que incluíssem night ou nuit nas suas letras, recordando os cheiros de todas as noites de mar que passou ao relento ou os pingos grossos de todas as chuvas invisíveis deste e doutros mundos. Era uma táctica já habitual para fazer avançar as horas e combater o medo do escuro. Que lhe toldava as imagens ao espírito e lhe assustava os sentidos num toque e repique irritante e incontrolável. Porque não dar as mãos às ondas que não via na escuridão e rumar ao oceano ali ao pé da porta de casa?

Se bem ou mal o pensou, melhor o escreveria o sonho apressado que um sono de cansaço transmitiu em sessão inaugural. Estava dado o mote para se meter mar adentro. Estavam repostas as esperanças de vislumbrar através dos pingos grossos da chuva invisível. Rapidamente se viu numa espécie de palco desconhecido, dançando com gente estranha um bailado de coreografia esquisita. Chamavam-lhe ondas, assobiavam ventos, baixavam e subiam qual marés sem imediato. Parecia um jogo, mas o tabuleiro era mesmo um palco. O público via-os à distância, utilizando binóculos e consultando a previsão meteorológica mais avançada. A música mal se ouvia e fazia lembrar a sintonia tremida do velho rádio do barbeiro. Seria um mar de recordações ou simplesmente um desafio ao pensamento, para que se apressasse na viagem? A ida estava em curso e só faltava um destino claro.

Temia-se pelo pior. Uma tempestade, uma vela rasgada ou um mastro partido. Eram os riscos de brincar com coisas sérias e fora de pé. Há muito as rochas e os garajaus tinham ficado para trás. Possivelmente sem bilhete para aquela plateia de cais de partida. A embarcação corria desvairada sob salpicos e sobre ventos cruzados, o lanche da viagem resumia-se a um pequeno pão de digestão imediata e o bailado prosseguia rumo ao contorcionismo de posições difíceis e já com o rufo de tambores a querer marcar o ritmo.

Havia uma espécie de mestre naquela espécie de palco. Mais velho, expedito nas explicações, mas falando uma língua estranha e que dava dores de barriga. Tudo sabia a sal e o pequeno pão desaparecera. As tábuas do chão ameaçavam soltar-se e um nó da madeira fazia lembrar uma ilha. Seria um sinal importante para fixar? Anotou o pormenor cruzando os dedos atrás das costas e rezou à indiferença com que o tratavam naquele cenário bizarro. Havia de se esperar pela manhã, se é que ela encaixava em tudo aquilo. Começava a sentir saudades de casa e do quente amparo que lá o aguardava. Como teria começado esta movimentação toda?

Decidiu que, mais do que esperar pela claridade, seria capaz de ultrapassar as carências que iam surgindo. É que, em catadupa, a música parara, não havia mais tambores, a chuva recomeçara a sua luta com os olhos ensonados e o leme rodava sozinho. O leme, adiante-se, enfeitava com destaque a boca de cena daquela espécie de palco. E tinha, bem visíveis nos gastos contornos, as marcas de muitas viagens de partidas ou regressos.

Foi então que despontou no horizonte uma linha clara de luz brilhante. O corpo de um dos bailarinos (seriam isso mesmo?...) desprendeu-se da amurada, mas apenas por brincadeira, pois era visível que todos tinham uma habilidade grande para andar em alto mar. O brilho intensificava-se e o cenário entrava em mutação repentina. Parara de cair água e afinal parecia ter sido uma mangueira presa no alto do suposto palco a enganar a noite bem demais.

A (tal) chuva invisível servia apenas de divisão entre o sonho e a realidade.

 

publicado por MSA às 08:52
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
16
22
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Caria em Mirandela.

. Poesia das Ilhas.

. Karaoke na GRAFIL.

. Depeche Mode - Strangelov...

. WRC: Rally de Portugal (D...

. Museu na Moda.

. Capicua c/M7 - Egotríptic...

. Equipamento.

. Monstros do Ano - 9ª ediç...

. WRC: Rally de Portugal (S...

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

.quem cá passa

Contador de visitas

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds