Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

PORTO DAS PIPAS

miguel de sousa azevedo - açores

PORTO DAS PIPAS

miguel de sousa azevedo - açores

31.Out.06

Daqui em diante...é já hoje.

Aspecto (em conjunto) da peça "Daqui em Diante", coreografada e criada por Olga Roriz...

Chama-se "Daqui em Diante" e será o ponto alto da noite de hoje no evento "Outono Vivo", que se está a realizar na Praia da Vitória. Baseando-se na obra de Samuel Beckett, a coreógrafa Olga Roriz criou um universo de ligações entre seis pessoas (3 mulheres e 3 homens), que se irão encontrar e viver momentos de solidão e partilha. A peça será encenada esta noite no palco do Auditório do Ramo Grande, e os bilhetes encontram-se já esgotados.

Tive a oportunidade de conversar um pouco ontem com a criadora desta e de outras preciosidades da dança/teatro/performance da nossa arte contemporânea. Olga Roriz, que eu já tinha conhecido pessoalmente, há uns anos na Graciosa, continua a mostrar-se uma personalidade além da mediania e possuidora de uma visão, por vezes única, da dimensão que as coisas podem ter...no palco, na vida, e em ambos. Pelo que só é de esperar uma noite de ganhos e sensações.

31.Out.06

Um "Açor Eterno"...

A apresentação, ontem à noite, da obra de Manuel Ferreira "Açor Eterno-Trilogia de uma ave e de um povo" foi um momento deveras interessante. O livro junta as três obras do nonagenário escritor açoriano sobre a simbologia do Açor na Região Autónoma e destaca-se por ter 168 centímetros de altura (a altura do autor...) e 39 quilos de peso.
Com 332 páginas, a obra contém muitos registos fotográficos e reproduções sobre o tema, separadas em vinte capítulos, quase todos com uma pequena nota do autor, conferindo factos, curiosidades, e explicando as diversas formas em que se expõe a utilização do Açor, algumas delas inéditas, originais e não raramente, humorísticas.
O livro foi produzido pela Nova Gráfica, propositadamente com aquelas dimensões, como parte de uma homenagem à obra de Manuel Ferreira e foi mesmo inscrito no Livro Guiness dos Recordes, esperando-se apenas a sua aceitação pelos editores do mesmo para que o tamanho-recorde seja oficial.

Manuel Ferreira, ao lado do seu "enorme" Açor Eterno...

A apresentação simples e sincera da obra esteve a cargo do ex-deputado Francisco Oliveira, sendo que Manuel Ferreira, o decano dos jornalistas açorianos e antigo chefe de redacção do "Correio dos Açores", foi quem a seguir tomou a palavra. E de que maneira o fez...do alto da sua provecta idade e de um apurado sentido de humor e oportunidade, leu de fôlego apressado e ritmo constante umas quantas folhas, nas quais encerrou toda a parte da trilogia dedicada à Terceira. A obra, para além de completa e original, revela um exaustivo estudo de toda a "participação" do Açor enquanto símbolo nas diversas vertentes do nosso desenvolvimento e crescimento. Micaelense de "gema", o autor de "O Barco e o Sonho" por várias vezes se atrapalhou na viragem das folhas que lia, remediando "isto é assim para tomar fôlego...". E encerrou a prosa pedindo desculpa a quem não o tenha entendido, pois "se assim foi, é porque me expressei em japonês...!", e pouco mais disse. Encheu-nos antes a alma de energia e vigor, revelando uma curiosidade latente...e não ter idade, como o Açor.

30.Out.06

Dois anos e o alívio...

Faz hoje dois anos um amigo meu teve um grave acidente. Tudo se passou no Iduna/Rali Lafões, prova do Nacional que se correu na região de São Pedro do Sul e, não fosse o socorro oportuno de um popular, mesmo em cima do acontecimento, poderiamos ter chorado a perda de um ente próximo. Na altura as manifestações de apoio foram variadas e, por mero acaso, acabei por acompanhar a recuperação dele (ou parte dela), feita até certo ponto no mesmo local onde trabalhava na altura...

"Fac-simile" da página de abertura do site criado, há dois anos, para apoiar o Paulo Silva...

O ano passado o Paulo Silva mandou-me uma mensagem dando graças a Deus por ter passado um ano sobre o momento mais difícil da sua vida, e por poder já considerá-lo praticamente ultrapassado. Hoje é a minha vez de recordar as horas de alívio que se foram formando, bem como a união que a amizade ainda permite. E o gosto de o ver com a Rute e a Leonor no sossego dos arredores de Amarante. Ainda bem...

30.Out.06

4-Armindo Campeão-4

Foi Sábado, na estreia em asfalto para o Nacional, do Rali de Mortágua, que Armindo Araújo e Miguel Ramalho se sagraram Campeões Nacionais pela quarta vez consecutiva.

Armindo: 4 vezes Campeão!

Depois de dois títulos com a Citroen, o piloto de Santo Tirso não desarma e continua a mostrar-se, agora ao volante de um Mitsubishi, inacessível para a restante concorrência.

Com os olhos postos numa carreira internacional, fica a mensagem das ilhas de bruma: -Parabéns e boa sorte, Amigo!

27.Out.06

Imagem.

a aflição de uma família leiriense nas recentes inundações...

"A aflição de uma família nas recentes inundações que assolaram o centro de Portugal. Aqui os Bombeiros transportam populares das suas casas, que ficaram inundadas pelas cheias. Quinta-feira, em Leiria"...

Foto: Lusa/Paulo Cunha.

26.Out.06

Dádiva "agrícola"...

"O Governo Regional concedeu ao Sport Clube Lusitânia um subsídio, a fundo perdido, no valor de cem mil euros, para o clube fazer face às suas dificuldades.
O subsídio foi atribuído pelo executivo açoriano tendo em conta o interesse manifestado pelo Lusitânia em realizar uma campanha de promoção dos produtos agro-alimentares regionais e atendendo à importância do clube, bem como da sua equipa de basquetebol, que participa em competições a nível nacional.
Numa portaria da secretaria regional da Agricultura e Florestas refere-se que “importa avaliar, de forma excepcional e experimental, o impacto da promoção de produtos regionais feita por entidades que participam em competições com expressão nacional”.
O subsídio atribuído ao Sport Clube Lusitânia, fundado em 24 de Junho de 1922, será suportado pelo orçamento privativo do Instituto de Alimentação e Mercados Agrícolas."
A notícia foi avançada ontem e parece já ter chocado muita gente. Não sei bem porquê...isto são "trocos" se comparados com o dinheiro "enterrado" pelo executivo no Santa Clara. Bem sei que uma mão não lava a outra, mas sacudo daí as minhas...

Pág. 1/7